Marisa Matias anuncia visita ao campo de refugiados de Moria

Candidata presidencial e eurodeputada do Bloco de Esquerda defende que é preciso “dar voz” aos refugiados que se encontravam no centro de acolhimento na ilha grega de Lesbos que foi destruído por um incêndio.

Cristina Bernardo

A candidata presidencial Marisa Matias anunciou na sua conta de Twitter que irá visitar o campo de refugiados de Moria, na Grécia, no final desta semana. “É preciso desmontar o cerco, falar abertamente da tragédia e mostrar solidariedade a quem o mundo está a virar as costas”, escreveu a eurodeputada do Bloco de Esquerda.

Marisa Matias justificou a decisão de se deslocar ao centro de acolhimento situado na ilha de Lesbos, destruído por um incêndio, com o facto de mais de dez mil pessoas, entre as quais quase quatro mil são crianças, estarem a passar fome e terem ficado sem teto enquanto “o mundo fecha os olhos”.

“Se é preciso ir lá pessoalmente para mostrar que o que está a acontecer é uma tragédia, para dar voz a estas pessoas e para ter dados reais sobre o que está a acontecer, então vamos”, escreveu a eurodeputada, que na semana passada oficializou a recandidatura à Presidência da República. Em 2016 ficou em terceiro lugar, só atrás de Marcelo Rebelo de Sousa e Sampaio da Nóvoa, obtendo 10,12% dos votos.

Recomendadas

Oxfam: 1% mais ricos do mundo são responsáveis por mais do dobro das emissões poluentes do que 50% mais pobres

O relatório alertou ainda para o consumo excessivo do carbono por parte dos mais ricos, assumindo que estes estão a esgotar o “orçamento de carbono” mundial, sustentando que este é “finito”.

Reino Unido em fase crítica da pandemia, alerta diretor-geral de Saúde

“A tendência no Reino Unido está a ir em direção contrária e estamos a entrar num ponto crítico da pandemia”, admitiu o diretor-geral de Saúde de Inglaterra, Chris Whitty. “Estamos a analisar os dados para perceber como gerir a propagação do vírus antes que chegue um inverno desafiador”, explicou o médico consultor.

Biden diz que substituição no Supremo antes das eleições é “exercício de poder brutal”

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.
Comentários