Marques Mendes antevê o regresso do “pântano” político após 2019

“O Governo minoritário do PS é a solução mais provável. Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, defendeu.

Ler mais

“Hoje com a geringonça, vive-se uma situação de estabilidade. Mas,  depois das eleições de 2019, infelizmente os portugueses vão ter que se habituar a isso, vamos voltar a viver um ambiente de instabilidade. Não está para vir o Diabo, mas será provavelmente o regresso do pântano”, anteviu hoje Marques Mendes no seu comentário político na SIC.

O comentador sustentou a previsão com o facto de estar afastada cada vez mais a possibilidade de o PS ganhar com maioria absoluta. “As sondagens não ajudam, e com o conflito com os professores e a crise na Saúde, dificilmente António Costa conseguirá uma maioria absoluta”, explicou.

Repetir a geringonça não parece possível na óptica de Marques Mendes, porque o Bloco de Esquerda estaria disponível, mas o PCP não quer repetir a geringonça. Os comunistas vão cumprir este compromisso até ao fim, e foi uma situação que “deu jeito ao PCP nos dois primeiros anos”, mas a  partir de agora, tem mais a perder que a ganhar, disse Marques Mendes.

O cenário Governo PS/BE, apesar de o Bloco querer muito ir para o Governo, não parece provável ao comentador político porque António Costa não vê grande vantagem numa aliança governativa com o Bloco. O Bloco de Esquerda não traz a paz social, quem a traz é o PCP, dá-lhe votos de deputados; mas não o ajuda nas reformas que quer fazer num futuro, uma vez que o Bloco não lhe dá coerência nas políticas.

Marques Mendes conclui que a solução que está mais em cima da mesa é a de bloco central com o PSD. É a solução que está na cabeça de Rui Rio e A António Costa.

Eles vivem, já hoje, num bloco central informal, “em espírito de bloco central”. Não se criticam um ao outro, não se atacam um ao outro, telefonam-se um ao outro. Rui Rio tem até uma certa admiração por António Costa.
O problema são os respectivos partidos. O PS não quer e o PSD também não quer, sobretudo porque vê em António Costa o inimigo que lhe retirou o poder.

Por isso o Governo minoritário do PS é a solução mais provável. “Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, uma vez que pode durar um ou dois anos, considerou Marques Mendes.

O que vai ainda tornar mais difícil a tarefa para o Presidente da República, conclui.

 

Recomendadas

Primeiro-minstro japonês ganha partido e fica perto de novo mandato no Governo

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, foi reeleito esta quinta-feira como presidente do Partido Liberal Democrático (PLD), abrindo caminho para mais um mandato de três anos à frente do Governo nipónico.

PS defende “lei Uber” enquanto BE e PCP avançam com propostas de revogação

PSD vai chamar o ministro do Ambiente ao Parlamento e o CDS-PP manifestou disponibilidade para rever a lei, mas não vão dar seguimento à reivindicação dos taxistas (tal como o PS) no sentido de solicitar ao TC a fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma.

Índices de Aceitação e de Oposição: PS votou a favor de mais diplomas do PSD do que do PCP

Plataforma Hemiciclo acaba de lançar uma nova funcionalidade: os Índices de Aceitação e de Oposição que registam o número de vezes que uma determinada bancada parlamentar votou a favor ou contra diplomas de cada uma das outras bancadas. Entre os dados compilados destacam-se algumas surpresas.
Comentários