Marques Mendes defende que Governo deve diminuir as exceções do confinamento

O comentador político elogiou a decisão do Governo avançar com o confinamento e manter as escolas abertas, contudo considera que existem demasiadas restrições e que as medidas decididas na semana passada poderiam ter sido tomadas mais cedo.

O comentador político Luís Marques Mendes defendeu que o Executivo, que irá reunir esta segunda-feira para avaliar as medidas de restrição anunciadas na semana passada, deveria diminuir as exceções previstas, ainda que tenha apelado também à consciência cívica da população para contribuir para achatar a curva de novos casos.

“Há excepções a mais novamente nestas medidas. Há excepções a mais. Não é apenas em termos quantitativos. As exceções são enormes”, disse o advogado este domingo no habitual espaço de comentário na Sic, confirmando que a proibição da venda de bebidas ao postigo e possibilidade de abrir os centros de tempos livres para crianças até aos 12 anos irá avançar amanhã em Conselho de Ministros.

Marques Mendes defendeu, contudo, que o Governo deveria “também avaliar com mais rigor as exceções que criou” e “diminui-las porque as pessoas estão a ter uma interpretação criativa, muito alargada”.

“Tem que haver também responsabilidade cívica de cada um de nós. A situação é mesmo dramática e ainda se vai agravar nos próximos dias”, acrescentou, sublinhando que “com este mini-confinamento, muito suave, não resolvemos o problemas dos hospitais, depois em vez de estarmos com confinamento por 30 dias estamos por 60 dias”.

Reconhecendo que “neste momento ser governo deve ser um tarefa muito difícil”, o comentador político avaliou como positivo a decisão do governo, justificando que “com estes número que temos não havia alternativa” e que “qualquer coisa que se diga no sentido oposto é demagogia”, dando o exemplo dos hospitais em pré-catástrofes, dando nota positiva ao facto das escolas se manterem abertas. Enalteceu ainda a decisão de manter as escolas abertas, sublinhando que “parar as escolas em dois anos lectivos consecutivos é fatal para os alunos e jovens em termos de aprendizagem”, bem como os apoios anunciados à economia.

Contudo, também apontou aspectos negativos, nomeadamente o que diz ter sido o “facilitismo da parte do governo acompanhado dos partidos políticos no Natal”, “a perda de tempo na tomada de decisões” e que “não havia razão nenhuma para as medidas não tivessem sido tomadas na semana passada”.

“Só por sorte é que estas medidas anunciadas pelo governo são suficientes para a situação dramática em que estamos. Este confinamento não é manifestamente igual ao de março”, vincou.

Governo convoca Conselho de Ministros extraordinário após declarações de Marcelo

Ler mais
Relacionadas

Governo convoca Conselho de Ministros extraordinário após declarações de Marcelo

A RTP avança que o Governo vai reunir-se esta segunda-feira em Conselho de Ministros extraordinário e deverão ser decididas novas medidas de restrição.
Recomendadas

Autárquicas: IL vai reunir-se com Moedas e quer PSD e CDS libertos de “hábitos socialistas”

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Fundadores da Tendência Esperança e Movimento desfiliam-se do CDS-PP

Abel Matos Santos e Luís Gagliardini Graça, que foram fundadores da Tendência Esperança em Movimento do CDS-PP, desfiliaram-se do partido. Abel Matos Santos chegou a integrar a atual direção executiva de Francisco Rodrigues dos Santos.

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita “a alteração das inconstitucionalidades” provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.
Comentários