Marques Mendes: “Secretário de Estado da Proteção Civil devia demitir-se ou ser demitido”

O comentador considera que José Artur Neves ficou “minado, fragilizado, perdeu autoridade” e que não tem aparecido publicamente, apesar dos incêndios que têm assolado o país.

“O secretário de Estado da Proteção Civil devia ter-se demitido, ou ter sido demitido”, defendeu Marques Mendes no seu habitual comentário semanal na SIC.

O comentador deixou várias críticas à atuação de José Artur Neves na polémica sobre as golas antifumo. “Em primeiro lugar, há cerca de uma semana tinha dado a entender que o assunto não era com ele, era só com a Proteção Civil. Passados dois ou três dias, veio-se a constatar que sabia de tudo e que há um ano aqui na SIC tinha dado a conhecer todo este programa, entrou em contradição flagrante”.

Marques Mendes considera que José Artur Neves devia ter pedido a sua demissão depois de o seu adjunto também ter saído, pelo seu envolvimento na escolha das empresas para o concurso das golas.

“Pois bem, um adjunto demitiu-se e bem, mas o secretário de Estado devia-se ter demitido logo a seguir. Por uma razão muito simples, os adjuntos dos governantes não atuam por conta própria, atuam em nome do secretário de Estado, portanto, ele devia ter assumido a responsabilidade política e sair”, afirmou Marques Mendes.

O comentador considera que José Artur Neves ficou “minado, fragilizado, perdeu autoridade, ficou inibido, está condicionado, não tinha a mesma autoridade que tinha antes”.

“Esta semana houve vários incêndios, e ele praticamente não apareceu. Por estas razões, julgo que em vez de se agarrar ao lugar, devia ter posto o lugar à disposição, sair pelo seu pé, ou então ser substituído”, rematou.

 

Ler mais
Relacionadas

Marques Mendes: “António Costa é o grande vencedor” de Centeno não ir para o FMI

“Mário Centeno perdeu. Ao longo desta semana ficou muito claro que ele tinha muita vontade de sair do Governo e de ir para o FMI”, afirmou o comentador.
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários