Marques Mendes sobre nomeações familiares: “Os erros do passado não justificam os erros do presente”

Sobre o Brexit, o comentador diz que o processo de saída do Reino Unido da União Europeia vai funcionar como “uma vacina”.

O comentador político Luís Marques Mendes disse no seu espaço de opinião televisiva no ‘Jornal da Noite’ da SIC que “os padrões de exigência da sociedade portuguesa eram outras, eram diferentes”, analisando a polémica as nomeações de membros familiares dentro do atual Governo.

“Nos anteriores governos houve muitas nomeações e isso foi um erro”, reconheceu o comentador, sublinhando que também fez parte desses executivos sociais democratas no tempo de Cavaco Silva enquanto primeiro-ministro.

Luís Marques Mendes sublinhou que “os erros do passado devem-se assumir, mas não justificam os erros do presente”.

“Devia ter havido ainda mais cuidado”, recomendou o comentador, criticando a posição do primeiro-ministro António Costa sobre esta polémica.

“Acho estranho que ao fim destas semanas os governantes ainda não tenham reconhecido este erro”, alertou Luís Marques Mendes.

Sobre o prolongado processo do ‘Brexit’, Marques Mendes considera que a tentativa de saída do Reino Unido vai funcionar para o futuro como “uma vacina”, porque, estando os 27 países comunitários unidos sobre este tema, mais nenhum país vai querer atravessar estes problemas.

Ler mais
Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários