Joana Marques Vidal diz que magistrados já têm regras e sindicâncias de auto-regulação

Referindo-se à violação do segredo de justiça, Joana Marques Vidal disse que “os jornalistas não publicam tudo o que sabem, pois têm algum cuidado”.

A ex-procuradora-geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, sublinhou nesta segunda-feira que os magistrados já têm que cumprir uma série de regras e sindicâncias de auto-regulação.

Em conferência na SEDES, questionada sobre “quem controla os magistrados”, no âmbito da autonomia do Ministério Público, a ex-PGR destacou uma série de mecanismos de auto-regulação.

“Existe uma ideia errada de que quem manda no Ministério Público é o Conselho Superior do Ministério Público”, afirmou também Marques Vidal, na fase de perguntas e respostas que se seguiu à sua intervenção de hoje na conferência da SEDES, em Lisboa, com enfoque na “corrupção” e na “autonomia do Ministério Público”.

“Efetivamente, o Conselho Superior não é o órgão máximo do Ministério Público”, reiterou depois Marques Vidal, quando se referia à avaliação dos magistrados.

Quanto à questão da violação do segredo de justiça, que Marques Vidal salientou ser potenciada pela “rapidez com que hoje em dia se divulga qualquer notícia”, a ex-PGR admitiu que “eu também sei que os jornalistas não publicam tudo quanto sabem, pois têm algum cuidado”.

Relacionadas

Joana Marques Vidal quer estratégia nacional contra a corrupcão

Ex-procuradora-geral da República, que foi à SEDES falar sobre autonomia do Ministério Público, salientou que a corrupção “põe em causa a confiança dos cidadãos nas suas estruturas políticas e por isso põe em causa em democracia”.

Ex-procuradora-geral da República critica proposta socialista de dar autonomia financeira à PGR

Joana Marques Vidal diz que proposta pode pôr em causa recursos necessários para levar a cabo investigações de crimes de elevada complexidade.
Recomendadas

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Tancos: Carlos Alexandre quer depoimento presencial de António Costa

Carlos Alexandre enviou ao Conselho de Estado, do qual o primeiro-ministro faz parte por inerência do cargo, um pedido de “autorização para prestação de depoimento, presencial, (de António Costa) como testemunha” do arguido Azeredo Lopes.
Comentários