Joana Marques Vidal diz que magistrados já têm regras e sindicâncias de auto-regulação

Referindo-se à violação do segredo de justiça, Joana Marques Vidal disse que “os jornalistas não publicam tudo o que sabem, pois têm algum cuidado”.

A ex-procuradora-geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, sublinhou nesta segunda-feira que os magistrados já têm que cumprir uma série de regras e sindicâncias de auto-regulação.

Em conferência na SEDES, questionada sobre “quem controla os magistrados”, no âmbito da autonomia do Ministério Público, a ex-PGR destacou uma série de mecanismos de auto-regulação.

“Existe uma ideia errada de que quem manda no Ministério Público é o Conselho Superior do Ministério Público”, afirmou também Marques Vidal, na fase de perguntas e respostas que se seguiu à sua intervenção de hoje na conferência da SEDES, em Lisboa, com enfoque na “corrupção” e na “autonomia do Ministério Público”.

“Efetivamente, o Conselho Superior não é o órgão máximo do Ministério Público”, reiterou depois Marques Vidal, quando se referia à avaliação dos magistrados.

Quanto à questão da violação do segredo de justiça, que Marques Vidal salientou ser potenciada pela “rapidez com que hoje em dia se divulga qualquer notícia”, a ex-PGR admitiu que “eu também sei que os jornalistas não publicam tudo quanto sabem, pois têm algum cuidado”.

Relacionadas

Joana Marques Vidal quer estratégia nacional contra a corrupcão

Ex-procuradora-geral da República, que foi à SEDES falar sobre autonomia do Ministério Público, salientou que a corrupção “põe em causa a confiança dos cidadãos nas suas estruturas políticas e por isso põe em causa em democracia”.

Ex-procuradora-geral da República critica proposta socialista de dar autonomia financeira à PGR

Joana Marques Vidal diz que proposta pode pôr em causa recursos necessários para levar a cabo investigações de crimes de elevada complexidade.
Recomendadas

‘Luanda Leaks’: Isabel dos Santos vai processar consórcio de jornalistas

Os mais de 715 mil documentos que sustentam as várias reportagens a cargo de 120 jornalistas de 36 meios de comunicação social em 20 países, “foram obtidos criminosamente através de ‘hacking’ para criar uma falsa narrativa”, alega a empresária.

Juiz Neto de Moura assina agora como Joaquim Moura

Com quatro juízes de nome ‘Joaquim’ mas sem apelido Moura, a única hipótese levantada pelo JN é que o juiz Neto de Moura tenha optado por uma assinatura que integrasse o seu primeiro e último nome, Joaquim Neto de Moura.

Luanda Leaks: Ana Gomes critica “dois pesos e duas medidas” da justiça em relação a Rui Pinto

A ex-eurodeputada Ana Gomes criticou esta segunda-feira os “dois pesos e duas medidas” da justiça portuguesa em relação a Rui Pinto, a fonte dos documentos que levaram ao Luanda Leaks, exigindo que o ‘hacker’ tenha estatuto de denunciante.
Comentários