Joana Marques Vidal diz que magistrados já têm regras e sindicâncias de auto-regulação

Referindo-se à violação do segredo de justiça, Joana Marques Vidal disse que “os jornalistas não publicam tudo o que sabem, pois têm algum cuidado”.

A ex-procuradora-geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, sublinhou nesta segunda-feira que os magistrados já têm que cumprir uma série de regras e sindicâncias de auto-regulação.

Em conferência na SEDES, questionada sobre “quem controla os magistrados”, no âmbito da autonomia do Ministério Público, a ex-PGR destacou uma série de mecanismos de auto-regulação.

“Existe uma ideia errada de que quem manda no Ministério Público é o Conselho Superior do Ministério Público”, afirmou também Marques Vidal, na fase de perguntas e respostas que se seguiu à sua intervenção de hoje na conferência da SEDES, em Lisboa, com enfoque na “corrupção” e na “autonomia do Ministério Público”.

“Efetivamente, o Conselho Superior não é o órgão máximo do Ministério Público”, reiterou depois Marques Vidal, quando se referia à avaliação dos magistrados.

Quanto à questão da violação do segredo de justiça, que Marques Vidal salientou ser potenciada pela “rapidez com que hoje em dia se divulga qualquer notícia”, a ex-PGR admitiu que “eu também sei que os jornalistas não publicam tudo quanto sabem, pois têm algum cuidado”.

Relacionadas

Joana Marques Vidal quer estratégia nacional contra a corrupcão

Ex-procuradora-geral da República, que foi à SEDES falar sobre autonomia do Ministério Público, salientou que a corrupção “põe em causa a confiança dos cidadãos nas suas estruturas políticas e por isso põe em causa em democracia”.

Ex-procuradora-geral da República critica proposta socialista de dar autonomia financeira à PGR

Joana Marques Vidal diz que proposta pode pôr em causa recursos necessários para levar a cabo investigações de crimes de elevada complexidade.
Recomendadas

Operação Rota do Cabo. Medidas de coação já são conhecidas

Os detidos foram presentes ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para primeiro interrogatório judicial, no dia 16 de outubro.

Ministério Público abre inquérito a caso do bebé sem rosto

“Confirma-se a receção, muito recentemente, de uma queixa apresentada pela mãe. A mesma deu origem a um inquérito que corre os seus termos no Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Setúbal”, referiu fonte oficial da Procuradoria-geral da República à Lusa.

Caso BPN: Oliveira e Costa condenado por fraude fiscal mas mantém 15 anos de prisão

Em novembro do ano passado, o ex-banqueiro, inicialmente condenado a 14 anos de prisão, viu agravada a pena em mais um ano de cadeia por abuso de confiança, depois de o tribunal se ter esquecido de fixar a pena.
Comentários