MBA ISEG quer conquistar o mundo

Criado há 35 anos, o primeiro MBA do país está a apostar em força na internacionalização. É ministrado em inglês e leva os alunos a Silicon Valley.

O MBA do ISEG assinala este ano a sua 35ª edição. Lançado em 1984, é o mais antigo de Portugal e o único programa do género da Universidade de Lisboa.

Ministrado na centenária escola de economia e gestão do Quelhas, o Master Business Administration (MBA) tem vindo a introduzir várias inovações: o regime modular das suas aulas, o ensino em inglês, uma turma internacional, um corpo docente progressivamente estrangeiro, e uma semana residencial no centro tecnológico de Silicon Valley, em parceria com a Universidade de São Francisco.

Criado com base no equilíbrio da formação nas competências core, mas também nas denominadas soft-skills, o MBA_ISEG está desenhado, segundo o seu diretor, Jorge Gomes, para que executivos com diferentes origens académicas “possam ganhar competências nas áreas técnicas, mas também, em aspetos de desenvolvimento organizacional e de liderança”.

O MBA ISEG é acreditado pela organização internacional AMBA e beneficia também do facto da conquista pelo ISEG – Lisbon School of Economics & Management – da acreditação mais valorizada no universo das escolas de gestão do mundo: a AACSB. “Esta acreditação da Escola trouxe mais notoriedade a todos os programas de gestão, incluindo o MBA, aumentando a nossa motivação e ambição”, explica Jorge Gomes ao Jornal Económico.

No caso do MBA, salienta, “temos claramente um produto estrela, em particular desde que aprofundou a sua componente de internacionalização, com a importante acreditação internacional AMBA, o ensino em inglês, contando com um grupo internacional de estudantes na sala de aula e forte componente de gestão de inovação e empreendedorismo”.

O MBA do ISEG assenta em três pilares fundamentais: desenvolvimento de competências de negócio a 360º; formação em liderança e gestão de equipas, incluindo negociação e mindfulness; e inovação, intra e extra-empreendedorismo.

Ler mais
Recomendadas

Dois semestres em vez de três períodos

Escolas vão poder organizar o ano letivo como quiserem, desde que apresentem um plano de inovação e este seja aceite pelo Ministério da Educação. A autonomia avança.

Castro Marim na mira das Belas-Artes

Academia e autarquia juntas na preservação de património imaterial. Alunos da Universidade de Lisboa dão nova vida a artes tradicionais do concelho.

Técnico entra na revolução das comunicações

Portugal passou na prova e vai contribuir para o futuro das comunicações quânticas sem-fio. Europa quer liderar esta nova tecnologia e disponibiliza mil milhões para o seu desenvolvimento.
Comentários