Mercado automóvel está em queda livre há sete meses consecutivos

Os ligeiros de mercadorias quebram a tendência de queda, com um aumento de 14,3%, com 3.293 novos veículos. Em termos acumulados, o mercado atingiu 25.446 unidades, o que representou um acréscimo de 1,4% face ao período homólogo do ano anterior.

O mercado automóvel português voltou a recuar, pelo sétimo mês consecutivo, avança a Associação Automóvel de Portugal (ACAP). No mês de agosto, foram matriculados 16.035 veículos automóveis, o que representa uma queda de 14,2% face a igual mês do ano anterior.

Nos oito meses já decorridos de 2019, foram colocados em circulação 188.514 novos veículos, o que significa uma diminuição homóloga de 5%.

Em agosto, foram matriculados 12.435 ligeiros de passageiros, representando uma quebra de 19%. No período acumulado dos primeiros oito meses de 2019, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 159.466 unidades, traduzindo-se numa variação negativa de 6,1%, relativamente a igual período de 2018.

Os ligeiros de mercadorias quebram a tendência de queda, com um aumento de 14,3%, com 3.293 novos veículos. Em termos acumulados, o mercado atingiu 25.446 unidades, o que representou um acréscimo de 1,4% face ao período homólogo do ano anterior.

Foram matriculados 307 veículos pesados, apresentando uma quebra de 31,2%. Nos primeiros oito meses de 2019 as matrículas totalizaram 3.602 unidades, o que representou uma evolução positiva de 5,9% em relação ao período homólogo de 2018.

Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

Segundo o BdP, atualmente as regras que os bancos têm de cumprir estão nos avisos n.º 10/2011 sobre as regras que regem as remunerações e n.º5/2008 sobre sistema de controlo interno, considerando que é necessário rever estes regulamentos para levar em conta as melhores práticas e as “lições” que dos últimos anos permitiu retirar.

BCE lucra 2,4 mil milhões de euros em 2019

A maior fonte de receitas da instituição liderada por Christine Lagarde é a compra de ativos (1,4 mil milhões de euros em 2019), como a dívida pública. O Banco Central Europeu (BCE) teve um lucro de 2.366 milhões de euros em 2019, acima dos 1,6 mil milhões de euros reportados em 2018.
Comentários