Mercado automóvel está em queda livre há sete meses consecutivos

Os ligeiros de mercadorias quebram a tendência de queda, com um aumento de 14,3%, com 3.293 novos veículos. Em termos acumulados, o mercado atingiu 25.446 unidades, o que representou um acréscimo de 1,4% face ao período homólogo do ano anterior.

O mercado automóvel português voltou a recuar, pelo sétimo mês consecutivo, avança a Associação Automóvel de Portugal (ACAP). No mês de agosto, foram matriculados 16.035 veículos automóveis, o que representa uma queda de 14,2% face a igual mês do ano anterior.

Nos oito meses já decorridos de 2019, foram colocados em circulação 188.514 novos veículos, o que significa uma diminuição homóloga de 5%.

Em agosto, foram matriculados 12.435 ligeiros de passageiros, representando uma quebra de 19%. No período acumulado dos primeiros oito meses de 2019, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 159.466 unidades, traduzindo-se numa variação negativa de 6,1%, relativamente a igual período de 2018.

Os ligeiros de mercadorias quebram a tendência de queda, com um aumento de 14,3%, com 3.293 novos veículos. Em termos acumulados, o mercado atingiu 25.446 unidades, o que representou um acréscimo de 1,4% face ao período homólogo do ano anterior.

Foram matriculados 307 veículos pesados, apresentando uma quebra de 31,2%. Nos primeiros oito meses de 2019 as matrículas totalizaram 3.602 unidades, o que representou uma evolução positiva de 5,9% em relação ao período homólogo de 2018.

Recomendadas

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Rob McCargow: “A literacia digital passou a ser obrigatória nas administrações”

O diretor de Inteligência Artificial da consultora PwC United Kingdom defende que as empresas têm um papel a desempenhar no enquadramento do desenvolvimento da inteligência artificial, em vez de ficarem à espera de governos e reguladores, mas que os decisores têm de ter maior conhecimento sobre tecnologia.

Madeira: Governo Regional vai investir 136 milhões de euros na habitação a custos controlados

O CDS considera o investimento na habitação por parte do Executivo madeirense como uma medida crucial para responder à “dificuldade” das famílias e sobretudo dos casais mais jovens, em encontrar habitação quando os preços do mercado e as rendas são “muito elevados” atualmente.
Comentários