Mercadona abriu hoje supermercado de Leça da Palmeira

A empresa prevê abrir ainda este ano quatro novos supermercados em Portugal. A próxima abertura está prevista para o dia 26 de outubro em Vila do Conde. 

A Mercadona abriu hoje um supermercado em Leça da Palmeira, distrito do Porto, criando 65 postos de trabalho, com contrato sem termo.

Esta é a segunda loja no concelho de Matosinhos e conta com uma área de vendas de 1.900 metros quadrados.

A empresa prevê abrir ainda este ano quatro novos supermercados em Portugal. A próxima abertura está prevista para o dia 26 de outubro em Vila do Conde.

A retalhista espanhola conta com 25 lojas em Portugal, nos distritos do Porto, Braga, Aveiro e Viana do Castelo. Este ano já abriu cinco das nove lojas previstas. Este ano, a empresa prevê investir 150 milhões de euros e recrutar um total de 600 pessoas, com contrato de efetividade desde o primeiro dia.

Em 2020, com a abertura de 10 lojas em Portugal, a Mercadona fechou o ano com um total de 20 supermercados no país e alcançou um volume de vendas de 186 milhões de euros.

Recomendadas

Greve nos CTT tem “motivação exclusivamente política”, diz CEO

Criada em 1988 por profissionais da rede de atendimento dos CTT, a ANCEC tem como associados 220 gestores de estações de correios, que diz coordenarem uma atividade que envolve mais de 600 pessoas a nível nacional (continente e ilhas).

Segundo maior acionista sai da Jerónimo Martins

Segundo maior acionista da dona do Pingo Doce vendeu a sua participação de 5%. A Jerónimo Martins reportou que recebeu da Goldman Sachs International o anúncio de lançamento de um ‘accelerated bookbuilt offering’, dirigido a investidores institucionais.

“Crise nas cadeias de logística tem tido particular impacto em alguns sectores estratégicos”

As vendas de bens e serviços ao exterior têm funcionado como um motor da economia portuguesa, num ciclo positivo que só foi interrompido pela pandemia. Ao Jornal Económico, o secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, diz que as empresas são resilientes e que as exportações já estão a recuperar, mesmo com o impacto da crise energética e com os constrangimentos nas cadeias de abastecimento, que afetam sectores estratégicos.
Comentários