Mercadona altera relação com fornecedores a pensar nos clientes

A medida vai ter impacto na forma como a Mercadona se relaciona com os cerca de 1.400 fornecedores para produtos da marca própria da cadeia de supermercados, como a marca “Hacendado”, numa relação pensada para o longo-prazo e para o desenvolvimento de produtos através de co-inovação.

A cadeia espanhola de supermercados, a Mercadona, vai alterar a forma como interage com os fornecedores dos seus produtos, noticia o “El Economista”. Em detrimento do modelo tradicional de negócio, que assentava na gestão de várias categorias de produtos com os respetivos fornecedores, a Mercadona vai passar a gerir o produto a produto, de forma a tornar-se mais ágil na resposta às necessidades dos clientes.

A medida vai ter impacto na forma como a Mercadona se relaciona com os cerca de 1.400 fornecedores para produtos da própria marca da cadeia de supermercados, como a marca “Hacendado”, numa relação pensada para o longo-prazo e para o desenvolvimento de produtos através de co-inovação.

Em 2012, a empresa, que iniciou em Portugal o processo de internacionalização, apercebeu-se que as tinha de adaptar-se para satisfazer as necessidades dos clientes e eliminar o risco de não oferecer uma resposta tempestiva aos clientes, o que acontecia quando estes pediam um produto que a Mercadona não comercializava e que precisava de tempo para o fabricar.

A empresa admitiu que cometeu um erro por pensar que um fornecedor teria capacidade para fabricar uma categoria completa de produtos, algo que é difícil de alcançar.

A Mercadona iniciou a sua atividade portuguesa em 2016 depois ter registado a sociedade comercial Irmãdona, na zona do Grande Porto.

Em agosto de 2018, o Comité de Direção da empresa aprovou a abertura de 10 lojas em Portugal no segundo semestre deste ano. “As lojas vão estar localizadas nos distritos do Porto, Braga e Aveiro”, divulgou a empresa num comunicado de setembro. As quatro primeiras lojas serão abertas em Gaia, Matosinhos, Maia e Gondomar.

A abertura destas lojas obrigou a um investimento adicional de 75 milhões para o arranque da expansão em Portugal, totalizando 100 milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

“Chegamos em breve”. Mercadona mostra imagens do primeiro supermercado em Portugal

A cadeia de supermercados Mercadona prevê inaugurar a primeira loja da marca em Portugal em julho de 2019, de acordo com o espanhol ‘Expansiòn’, data que marca também o arranque da atividade internacional desta cadeia.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários