“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Assista em direto a mais uma edição do programa “Mercados em Ação”, em direto no site e nas redes sociais do Jornal Económico.

Devido às medidas para conter o surto do novo coronavírus, as próximas edições do programa vão ser gravadas de forma remota. Em tempo de turbulência na economia e nos mercados pode manter-se a par das últimas novidades, contando como sempre com a análise feita por especialistas.

Neste edição, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE) e Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) falam sobre o impacto do coronavírus na economia e nas bolsas mundiais e analisar as reações dos governos e dos bancos centrais. Para comentar estes temas está no nosso estúdio virtual Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners.

No ‘Espaço Empresas’ entrevistamos Jorge Conde Rendeiro, vice-presidente de marketing da GoContact, sobre como as empresas têm de se adaptar para trabalhar de forma remota e digital.

Recomendadas

Sassoli apela ao Eurogrupo: “Precisamos de encontrar formas novas e comuns de financiamento”

Em vésperas de nova ronda de negociações dos ministros das Finanças europeus, o Presidente do Parlamento Europeu defendeu que o Eurogrupo “tem de estar à altura do desafio” e que “o colapso de um país teria, inevitavelmente, consequências dramáticas para todos os outros”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

Pandemia: 34% dos portugueses receiam colapso da Segurança Social e 20% temem perder o emprego

Se há uma semana 81% dos portugueses inquiridos apresentava elevada preocupação face à crise atual, hoje, são 90%. E 18% dos portugueses ativos antes da epidemia afirmam já ter perdido, mesmo que temporariamente, o seu emprego.
Comentários