Merlin Properties e BPI fecham acordo para ocupação do edifício Monumental

A entidade bancária vai ocupar 80% da área bruta locável (ABL) do espaço localizado em Lisboa, cujas obras de reabilitação estarão concluídas no início do próximo ano.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A Merlin Properties e o banco BPI, estabeleceram um acordo para a ocupação do edifício Monumental. Em comunicado divulgado esta sexta-feira, 25, de setembro, a SOCIMI espanhola informa que a entidade bancária vai ocupar 19.500 m2 da área bruta locável (ABL), o equivalente a 80% do edifício.

O edifício situado na Praça Duque de Saldanha, em Lisboa está a ser alvo de obras de reabilitação urbana, que se prevê estejam concluídas no início de 2021. O Monumental irá disponibilizar mais de 19 mil m2 de escritórios e ainda 6 mil m2 de área comercial.

João Cristina, responsável da Merlin Properties em Portugal afirma que este acordo “além de ser um forte sinal de que o mercado continua activo, é para nós reconfortante saber que a nossa aposta em modernizar o edifício Monumental, tem como corolário este acordo com esta entidade”.

Esta transação foi assessorada pela consultora imobiliária CBRE, que através de André Almada, director-senior do grupo em Portugal, salienta que “o facto de a transação ter sido concluída a quase um ano de distancia da conclusão das obras de reabilitação, comprova não só a forte dinâmica do mercado de escritórios, como reforça as expetativas de que a atual conjuntura poderá ser ultrapassada de forma positiva”.

Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários