Merlin Properties é admitida hoje na Bolsa de Lisboa. Quem é esta empresa espanhola?

A maior empresa do setor imobiliário em Espanha cotada no IBEX 35 já atua no mercado português desde 2015 e no qual já tinha demonstrado vontade de integrar a bolsa de Lisboa em outubro do ano passado. A oportunidade surge agora com a entrada na Bolsa de Lisboa a ser feita “mediante o procedimento de dual-listing” (cotação direta).

Considerada uma das maiores empresas de Espanha no setor imobiliário e cotada no IBEX35 desde 2015, a Merlin Properties é admitida esta terça-feira, 14 de janeiro na Bolsa de Lisboa, com a primeira sessão de negociação no dia seguinte.

A SOCIMI espanhola conta com uma capitalização bolsista aproximada de 5,3 mil milhões de euros, sendo especializada na aquisição e gestão de imóveis comerciais localizadas na península Ibérica.

A Merlin Properties foi fundada em 2014 por ex-executivos do Deutsche Bank e contou com o apoio inicial de fundos de investimento internacionais como a BlackRock, Principal Financial Group, Marketfield, Invesco e também o grupo Santander, tendo adquirido mais de mil escritórios do banco espanhol BBVA. A principal atividade da empresa passa pela aquisição e gestão ativa de ativos imobiliários comerciais no segmento de investimento “Core” e “Core Plus”.

Os seus principais ativos de mercado concentram-se nos segmentos de escritórios, retalho e logística principalmente em Espanha e com uma percentagem de 10% atualmente em Portugal, com uma carteira de nove ativos: sede da Novabase no Parque das Nações em 2015, por 18 milhões de euros, em 2016 o edifício Monumental e Torre ‘A’ das Torres de Lisboa, sede da Galp, por 103 milhões, aos quais se viriam a juntar mais 124 milhões pela compra da Plataforma Logística Lisboa Norte em Castanheira do Ribatejo.

No ano de 2017 surgiram as compras do Marquês de Pombal 3 por 60,3 milhões de euros e do Central Office no Parque das Nações, no valor de 29 milhões de euros. Em 2018, deram-se as aquisições da Torre Zen no Parque das Nações por 33,3 milhões de euros e o maior negócio da Merlin Properties até ao momento em Portugal, com a compra do Centro Comercial Almada Forum por 406, 7 milhões de euros.

Já no último ano, a Merlin Properties juntou à sua carteira de imóveis portugueses o edifício Art’s e a Torre Fernão de Magalhães no Parque das Nações por 112,2 milhões de euros e por fim a aquisição da sede da Nestlé em Linda-a-Velha, por 12,5 milhões de euros. Tudo somado, a empresa imobiliária investiu até ao momento em Portugal 900 milhões de euros.

A vontade da Merlin Properties em entrar no mercado bolsista português já havia sido manifestada em outubro de 2019. A oportunidade surge agora com a entrada na Bolsa de Lisboa a ser feita “mediante o procedimento de dual-listing” (cotação direta). A empresa encontra-se também a estudar a legislação portuguesa de maneira a poder criar posteriormente uma Sociedade de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI).

Ler mais

Relacionadas

Imobiliária espanhola Merlin Properties estreia-se na bolsa de Lisboa a 15 de janeiro

A imobiliária espanhola que já atua no mercado português desde 2015, já tinha demonstrado a vontade de integrar o índice português em outubro do ano passado. A empresa encontra-se também a estudar a legislação portuguesa de maneira a poder criar posteriormente uma Sociedade de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI).

Merlin Properties investe 19,5 milhões na sede da Nestlé em Portugal

A empresa espanhola continua a reforçar a presença no país. O edifício em Linda-A-Velha continuará a acolher a Nestlé, bem como uma divisão de serviços de negócios e a Nespresso Global.

Espanhóis da Merlin compram dois edifícios no Parque das Nações por 112 milhões de euros

O Art’s Business Center e a Torre Fernão de Magalhães, foram adquiridos pela empresa espanhola, naquele que é o primeiro grande negócio do imobiliário comercial deste ano em Portugal.
Recomendadas

EuroBic financiou empresa do marido de Isabel dos Santos em nove milhões de euros

O dinheiro serviu para financiar a atividade da empresa de Sindika Dokolo em França como distribuidora de jóias de luxo da empresa de diamantes De Grisogno, avança o Correio da Manhã.

Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.

Angola pede a PGR para notificar Isabel dos Santos antes de mandado de captura

PGR de Angola enviou um pedido de cooperação judiciária a Portugal para notificar a empresária angolana e outros três arguidos portugueses da condição de arguidos no processo crime aberto por suspeitas de desvio de fundos, branqueamento, falsificação de documentos e abuso de poder.
Comentários