México defende declínio “irreversível” da migração

“O México afirmou que a estratégia mexicana produziu resultados muito importantes para que os fluxos migratórios ocorram de acordo com a lei. Houve uma queda significativa”, disse Marcelo Ebrard, chefe da diplomacia mexicana.

O chefe da diplomacia mexicana defendeu, na terça-feira, que as medidas do seu governo conseguiram uma tendência “irreversível” de declínio da imigração ilegal para os EUA, mas Washington insistiu que há “mais a fazer” para conter esse fluxo migratório.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reuniu-se por “cerca de dez minutos” com Marcelo Ebrard, depois do encontro que este teve com uma delegação norte-americana liderada pelo vice-Presidente dos EUA, Mike Pence.

Segundo Ebrard, citado pela agência espanhola EFE, Trump foi “bastante amigável” e mostrou-se “positivo e grato ao México” pelas suas medidas de imigração, e ninguém na Casa Branca levantou a possibilidade de restabelecer tarifas no país vizinho.

“O México afirmou que a estratégia mexicana produziu resultados muito importantes para que os fluxos migratórios ocorram de acordo com a lei. Houve uma queda significativa”, disse Ebrard.

A reunião teve como objetivo acompanhar o acordo de imigração que os dois países alcançaram em junho, com o qual o México evitou que os Estados Unidos impusessem tarifas sobre todas as suas importações.

Após a reunião, Pence escreveu na rede social Twitter que “ainda há mais trabalho a ser feito para garantir a fronteira comum” de uma vez por todas.

Os dois altos funcionários políticos “concordaram em implementar os Protocolos de Proteção aos Migrantes (PPM) ao máximo”, informou o escritório de Pence, em comunicado.

A política de PPM dos EUA, mais conhecida como “Permaneça no México”, permite que Washington devolva ao país vizinho os imigrantes indocumentados que chegam à fronteira e solicitam asilo, para esperarem lá que seus casos sejam resolvidos. Nos EUA, é um processo que pode levar anos.

Ler mais
Recomendadas

Visita dos Estados Unidos a Taiwan motiva tensões com a China

“Taiwan tem sido um modelo de transparência e cooperação na saúde global durante a pandemia e muito antes dela”, apontou o secretário da Saúde dos EUA que visitará a região onde surgiu o coronavírus nos próximos dias

EUA esperavam 1,5 milhões novos empregos em julho. Foram criados apenas 167 mil

Número fica bem abaixo dos 1,5 milhões de novos empregos que os especialistas apontavam para este período nos EUA.

ONU teme graves problemas na distribuição de cereais após explosões em Beirute

“Recebi uma curta mensagem de um responsável da FAO em Beirute: ‘Tememos que uma grande parte das reservas de trigo que estavam no porto (de Beirute) tenham sido destruídas pelas explosões’. As reservas estão gravemente danificadas”, disse Dominique Burgeon, responsável pelas situações de emergência da agência da ONU à agência France-Presse, em Paris.
Comentários