Miguel Gouveia admite derrota no Funchal e diz que Coligação Confiança sai “com os mesmos princípios e valores”

O até agora presidente da autarquia disse que a Coligação Confiança fez “uma campanha que muito me orgulha. Saímos com os mesmos princípios e valores que nos propusemos. Fizemos campanha responsável, com projeto sério, honesto e sustentável para o Funchal”.

O até agora presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Gouveia, já admitiu a derrota, e endereçou congratulações a pedro calado, candidato do PSD/CDS-PP.

Miguel Gouveia saudou ainda aqueles que acreditaram no projeto da Coligação Confiança.

“Fizemos uma campanha que muito me orgulha. Saímos com os mesmos princípios e valores que nos propusemos. Fizemos campanha responsável, com projeto sério, honesto e sustentável para o Funchal”, disse.

Miguel Gouveia disse ainda que acredita que a coligação deixou o Funchal “melhor do que encontramos”.

O até agora presidente da autarquia refere que a Coligação Confiança sai de “cabeça erguida, e sabemos que demos o melhor à cidade do Funchal. Continuaremos a trabalhar em prol do funchalenses. Foi sempre o que nos moveu”.

Miguel Gouveia não esclarecer que vai assumir o cargo de vereador, referindo que nesta altura se impõe “uma reflexão”.

Recomendadas

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.

Autárquicas: Chega impõe condições para se coligar com PSD e descarta acordos com PS e CDU

Em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, André Ventura abordou os resultados das eleições autárquicas de domingo, onde o Chega elegeu 19 vereadores, para referir que “não haverá qualquer acordo nacional autárquico entre o Chega e o PSD”.
Comentários