Miguel Pinto Luz: “Sabemos da falta de carinho que Rui Rio tem para com Cascais e Carlos Carreiras”

Vice-presidente da Câmara de Cascais recorda que o candidato socialista Alexandre Faria integrou no passado um executivo liderado por Carlos Carreiras e diz estar confiante numa boa avaliação dos eleitores nas próximas autárquicas.

miguel_pinto_luz_psd
Fernando Veludo/Lusa

Vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz ouviu o líder do seu partido, Rui Rio, pôr em causa a competência de Carlos Carreiras, que está à frente de um de dois dos dez maiores concelhos portugueses governados pelo PSD, sendo o outro Braga. Pouco confiante nas hipóteses de os candidatos sociais-democratas a Lisboa, Sintra, Porto e Vila Nova de Gaia triunfarem, alerta para o efeito prejudicial do contágio entre a política nacional e a local.

Considera que Carlos Moedas, Ricardo Baptista Leite, Vladimiro Feliz e até mesmo António Oliveira, candidatos às maiores câmaras portuguesas, estão a lutar não só contra os autarcas incumbentes, mas também contra a perceção que o eleitorado faz da atuação do PSD?

Sem dúvida. Se nos concelhos mais pequenos isto acontece de forma mais ténue, nas grandes cidades do país há um efeito de contágio entre a política nacional e a política local. O engenheiro Moedas, o doutor Leite e Vladimiro Feliz têm todos eles contágio, benéfico ou prejudicial, para as suas candidaturas consoante a direção nacional está a fazer um combate mais ou menos feroz ao PS.

Entre os dez principais municípios portugueses neste momento o PSD só governa Cascais e Braga, ambos em coligação com o CDS-PP. No caso de Cascais acredita que está completamente seguro nestas autárquicas?

Sou um democrata profundo e a decisão caberá aos eleitores de Cascais no momento certo. O que cabe aos autarcas é fazerem as políticas a que se propuseram, e penso que o temos vindo a fazer com a liderança de Carlos Carreiras. Nos últimos 12 anos temos vindo a fazer políticas que nos comprometeram positivamente com o eleitorado, nomeadamente nestes últimos anos pandémicos, em que Cascais liderou essa agenda a nível nacional. Acredito convictamente que teremos um resultado que vai espelhar a qualidade das políticas públicas implementadas nos últimos anos.

Levaria a mal se Alexandre Faria, que é a aposta do PS para a conquista da Câmara de Cascais, utilizasse na campanha eleitoral cartazes com Rui Rio a chamar “incompetente” a Carlos Carreiras?

Em política temos que estar preparados para a crítica.

Neste caso seria a crítica do líder do seu próprio partido…

O aproveitamento político de críticas internas é legítimo. Não poderia levar a mal se Alexandre Faria utilizasse esse tipo de armas. Mas acredito que não o fará. Já fez parte de um executivo liderado por Carlos Carreiras e foi sempre muito elogioso das políticas que temos vindo a implementar.

Admite que o candidato socialista terá melhor impressão de Carlos Carreiras e da gestão de Cascais do que o líder do PSD?

Pelas palavras que temos ouvido de Rui Rio acredito que sim (risos). Sabemos da falta de carinho que Rui Rio tem para com Cascais e para com o Carlos Carreiras.

Recomendadas

Bolsonaro recria Ministério do Trabalho e confirma reforma ministerial

A reforma ministerial, a segunda em apenas quatro meses, procura criar novas alianças do Governo brasileiro com o Congresso num momento em que Bolsonaro sofre um forte desgaste devido à crise económica e da pandemia de covid-19.

Ministra da Coesão diz que Portugal vai precisar de emigrantes

Para a ministra da Coesão Territorial, os resultados preliminares dos Censos 2021 não são “uma surpresa” e refletem um problema que “não é de hoje, mas de décadas, e não é exclusivo de Portugal”.

Parlamento angolano aprovou propostas de alteração à lei orgânica das eleições gerais

Para o deputado do MPLA Tomás da Silva, citado pela ANGOP, a lei vigente sobre as eleições gerais “foi aprovada num contexto completamente diferente do atual”, considerando a anunciada revisão como “necessária e urgente para evitar atrasos no processo de preparação e realização das eleições gerais de 2022”.
Comentários