Milhares de pessoas manifestaram-se na capital da Hungria contra a “lei da escravatura”

Milhares de húngaros manifestaram-se hoje em Budapeste contra uma alteração do Código do Trabalho proposta pelo partido do primeiro-ministro, Viktor Orbán, e qualificada pelos críticos de “lei da escravatura”.

Milhares de húngaros manifestaram-se hoje em Budapeste contra uma alteração do Código do Trabalho proposta pelo partido do primeiro-ministro, Viktor Orbán, e qualificada pelos críticos de “lei da escravatura”.

Apresentado pelos deputados do partido nacional-conservador Fidesz, o projeto de lei prevê um aumento do número de horas extra que os empregadores podem exigir anualmente. Se for aprovado, o limite de horas extra passará de 250 para 400.

“São os salários que devem ser aumentados, não as horas suplementares”, disse Gyorgy Kalman, 47 anos e empregado na indústria automóvel, proveniente da cidade de Gyor para participar na manifestação, citado pela agência France Presse.

A Confederação Nacional dos Sindicatos Húngaros (MASZSZ), que organizou a manifestação, exige a retirada do projeto de lei.

Num comunicado divulgado antes do protesto, o seu responsável Laszlo Kordas considerou que a lei “ataca uma parte importante da sociedade”.

“Os empregados serão obrigados a trabalhar mais 50 dias por ano” se a proposta for aprovada, adiantou.

O Governo defendeu a reforma, considerando que permite a quem quer trabalhar e ganhar mais fazê-lo sem barreiras burocráticas.

Segundo uma sondagem recente do instituto Policy Agenda, 83% dos húngaros estão contra o projeto de lei, que deve ser votado no parlamento na terça-feira.

Ler mais
Recomendadas

UE “preocupada” teme “riscos” de lei da segurança nacional em Hong Kong

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reiteraram hoje a sua “preocupação” pela nova lei da segurança nacional imposta em Hong Kong pela China, admitindo recear os “riscos” na soberania da antiga colónia britânica.

Andrzej Duda mantém presidência da Polónia em eleição renhida

A Comissão Nacional Eleitoral revelou que Andrzej Duda foi reeleito presidente com 51,2% dos votos, a vitória menos expressiva na Polónia desde 1989.

Governo critica “falta de coerência” na UE por restrições a entrada de portugueses

O Governo criticou hoje a “falta de coerência” de alguns países da União Europeia (UE) nas restrições à entrada de cidadãos vindos de Portugal, devido à covid-19, afirmando esperar que a livre circulação seja reposta “nas próximas semanas”.
Comentários