Millennium Bank constituiu provisões de 112,4 milhões de euros para cobrir riscos jurídicos

Em resultado deste nível de provisões, relacionadas com uma carteira de crédito hipotecário concedida no passado em moeda estrangeira, “e apesar do sólido desempenho operacional”, o banco polaco controlado pelo BCP espera um resultado líquido negativo no primeiro trimestre de 2021.

O banco  polaco controlado em 50,1% pelo BCP anunciou ao mercado a constituição de provisões adicionais contra o risco legal relacionado à carteira de crédito hipotecário concedida no passado em moeda estrangeira, nomeadamente em francos suíços.

“O conselho de administração do Millennium Bank informa que tomou a decisão de criar, nas suas contas do primeiro trimestre de 2021, provisões de 512 milhões de zlotys [112,4 milhões de euros] para riscos jurídicos relacionados com empréstimos hipotecários em moeda estrangeira originados pelo Banco”, lê-se nessa comunicação.

As provisões significativas, que são superiores às do quarto trimestre de 2020, e refletem a continuação das tendências negativas nas decisões judiciais, a entrada de novos processos judiciais e as resultantes alterações na metodologia de avaliação de risco, diz o banco.

Em resultado deste nível de provisões e apesar do sólido desempenho operacional, o Millennium Bank  espera um resultado líquido negativo no primeiro trimestre de 2021.

Recomendadas

Centeno diz que restrições do Novo Banco não são compatíveis com calendário de venda do EuroBic

“Neste momento o Novo Banco não tem condições para fazer aquisições” disse Mário Centeno, lembrando que “no futuro, o banco tem de demonstrar que tem capacidade [em termos de capital] para fazer aquisições”.

Injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco excluindo todos os litígios é de 429,3 milhões

A dedução relativa à sucursal de Espanha é apenas de 147 milhões uma vez que houve um ligeiro efeito de libertação de RWA. O valor total das reduções aos 598 milhões de euros pedidos pelo Novo Banco é de 169 milhões de euros, apurou o Jornal Económico.

Centeno: “Só em 2015 o Fundo de Resolução entrou para o perímetro das administrações públicas”

“A questão sobre o impacto para os contribuintes tem a mesma interpretação hoje que tinha em 2017”, disse o ex-ministro das Finanças.
Comentários