Ministério garante que pagamento de salários nas AEC será “cumprido muito brevemente”

Os pagamentos estão “apenas pendentes de um procedimento administrativo”, avança fonte oficial. Fenprof diz que em causa estão “milhares de docentes” sem salário desde maio.

O Ministério da Educação garante que os pagamentos dos salários em falta desde maio a professores afectos às atividades de enriquecimento curricular (AEC) “serão cumpridos muito brevemente”, sem no entanto avançar uma data.

Fonte oficial do Ministério da Educação disse ao Jornal Económico que os pagamentos estão “apenas pendentes de um procedimento administrativo”.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) voltou ontem a denunciar o atraso nas transferências às entidades promotoras de AEC, afirmando em comunicado que em causa estão “milhares de docentes que, após maio, deixaram de receber salário, apesar de nunca terem abandonado a sua atividade”.

“O Ministério da Educação deixou de transferir, para as entidades promotoras de AEC, as verbas indispensáveis para garantir o pagamento dos parcos salários devidos aos docentes que, de forma absolutamente precária, exercem atividade naquele âmbito”, lê-se no comunicado da estrutura sindical.

A Fenfprof exige “o imediato desbloqueamento da situação” e “um pedido de desculpa” aos professores afetados.

O Jornal Económico questionou a fonte do Ministério da Educação sobre o número de professores afetados pelos atrasos nos salários mas não obteve resposta.

Ler mais

Relacionadas

Fenprof exige pagamento dos ordenados em atraso das AEC

Há três meses que os ordenados dos professores dedicados às atividades de enriquecimento curricular (AEC) estão em atraso e hoje a Fenprof exigiu que isso seja corrigido de imediato.
Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários