PremiumMinistério Público deixa investigação ao “apagão fiscal” parada há 19 meses

“Intolerável”, diz a eurodeputada Ana Gomes, numa carta à Procuradoria-Geral da República, alertando que o inquérito a transferências de 10 mil milhões “não avançou absolutamente nada”.

O Ministério Público (MP) não deu seguimento à investigação ao caso dos 10.000 milhões de euros de transferências para offshores que não ficaram registados no sistema central da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e que na sua larga maioria correspondem a fluxos enviados a partir do BES. A denúncia é da eurodeputada Ana Gomes, que diz estar “abalada e alarmada” no alerta dirigido, por carta, à procuradora-geral da República (PGR). A PGR confirmou ao Jornal Económico que recebeu a exposição de Ana Gomes, que “encontra-se em análise”, e dá conta que o inquérito ainda não tem  arguidos constituídos.

Na carta, a que o Jornal Económico teve acesso, Ana Gomes avisa Lucília Gago de que o inquérito, que está nas mãos do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e é coadjuvado pela Polícia Judiciária (PJ), está parado há um ano e sete meses, depois de ter sido aberto em agosto de 2017. “A consulta que fiz ao processo permitiu constatar que desde a abertura do inquérito não se avançou absolutamente nada na investigação a cargo do DIAP”, lê-se na carta da eurodeputada, datada de 20 de março. A eurodeputada salienta mesmo que “o processo consta de sucessivas recusas de investigação por parte da PJ, por priorizar outras investigações, e correspondentes pedidos de prorrogação do inquérito por parte do Ministério Público”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

OE2019: Banco de Portugal obrigado a comunicar transferências para “offshores”

Com a alteração à Lei Geral Tributária, os bancos ficaram obrigados, a partir deste ano, a enviar essa informação até ao final de março, três meses mais cedo do que faziam até aqui.

Fisco investiga 256 portugueses suspeitos de ocultação em ‘offshores’

Autoridade Tributária e Aduaneira identificou mais de três centenas de portugueses nos escândalos Swissleaks, Panama Papers, Malta Files e Paradise Papers.
Recomendadas

PremiumViseeon Portugal é a nova rede internacional de consultoria financeira

Portuguesa BTOC Consulting fundiu-se com a francesa Viseeon para criar em Portugal um modelo “inovador” de serviços de contabilidade, assente na tecnologia.

Lista portuguesa de paraísos fiscais “merecia uma revisão profunda”, alertam advogados

“Na medida em que contém, ainda, jurisdições que não constam da lista da UE, como é o caso de Hong Kong”, argumentam os fiscalistas da RFF & Associados.

Trabalhadores com aumento não perdem rendimento líquido por via do IRS, diz ministra

Sobre a portaria que pretende agilizar os procedimentos concursais, também em negociação com os sindicatos, a ministra Alexandra Leitão disse que as alterações vão conseguir encurtar os procedimentos comuns de recrutamento em cerca de quatro meses.
Comentários