PremiumMinistério Público investiga denúncia de ocultação de provas no caso do Monte

Segundo apurou o Económico Madeira junto do MP, o inquérito encontra-se em investigação. Em curso estão, nas últimas semanas, diligências complementares consideradas “essenciais”.

O Ministério Público (MP) está a realizar diligências complementares no processo da queda de uma árvore que, em Agosto de 2017, causou a morte a 13 pessoas e feriu outras 53. Segundo apurou o Económico Madeira junto do MP, o inquérito encontra-se em investigação, “tendo, nas últimas semanas, surgido a necessidade de realizar diligências complementares a perícias já realizadas”. Diligências que, acrescenta a Procuradoria-Geral da República, são “essenciais para a descoberta da verdade”.

Em causa está uma denúncia de Rocha da Silva, perito indicado pela Diocese do Funchal, que tem vindo a alertar para a omissão da existência de um fungo nos relatórios associados ao processo, recaindo sobre o especialista Pedro Ginja, responsável pela peritagem da Câmara Municipal do Funchal (CMF), a suspeita de ter removido um fungo do colo da árvore no centro da tragédia do arraial do Monte.

“Toda a gente está obrigada a falar a verdade e, debaixo deste princípio, enquanto testemunha, não como perito, entreguei no lugar certo as minhas observações”, adianta Rocha da Silva, acrescentando que “já em março tinha chamado a atenção, através de uma demonstração fotográfica, para o facto de este carpóforo ser ocultado mesmo nas audiências na Assembleia Legislativa”.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumHuawei e JE debatem esta terça-feira o papel da tecnologia na recuperação económica

Arranca esta terça-feria o ciclo de conferências online promovido pelo JE e Huawei sobre que papel vai desempenhar a tecnologia na recuperação económica. Assista em direto às 11h00 no site e nas redes sociais do JE.

PremiumEquipamentos de proteção individual geram 110 denúncias junto da Deco

Deco diz que cobrança é ilegal se consumidor não for informado previamente. Associação de Administradores Hospitalares defende referencial máximo no privado.

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.
Comentários