Ministra da Agricultura promete divulgar até ao fim do ano conclusões do estudo da EDIA sobre regadios

Maria do Céu Antunes foi à Fruit Attaction, em Madrid, dizer que o PNI – Plano Nacional de Investimento 2030 prevê 750 milhões, em partes iguais, para investimento na melhoria e ampliação de sistemas atuais de rega coletiva e para a construção de novas áreas de regadio.

A ministra da Agricultura prometeu esta quinta-feira divulgar até ao final do presente ano as conclusões do estudo encomendado pelo Governo à EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva para fazer o levantamento nacional das localizações geográficas em que será necessário melhorar e ampliar os sistemas de regadio coletivo e das que deverão merecer o investimento na construção de novas áreas de regadio.

Durante uma visita aos produtores portugueses do sector das frutas, legumes e flores que marcaram presença na edição deste ano da Fruit Attraction, em Madrid, Maria do Céu Antunes admitiu que já recebeu as conclusões desse estudo, mas não quis adiantar mais pormenores sobre o assunto.

“Já temos conclusões desse estudo encomendado à EDIA, muito em breve essas conclusões serão divulgadas”, garantiu a ministra da Agricultura.

Questionada sobre o ‘timing’ exato previsto para essa divulgação, Maria do Céu Antunes precisou que tal acontecerá “até ao final do ano”.

Recorde-se que o plano de regadios é uma das peças fundamentais a incluir no PEPAC – Plano Estratégico da Política Agrícola Comum que o Governo terá de entregar em Bruxelas até 10 de dezembro próximo, sendo uma das principais exigências reivindicadas nos últimos tempos por diversas organizações nacionais de agricultores, desde a CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal até à Portugal Fresh, por exemplo.

A ministra da Agricultura concordou que este é um dos temas vitais para assegurar a competitividade futura da agricultura portuguesa e fomentar as exportações do sector, relembrando que o PNI – Plano Nacional de Investimentos 2030 tem previsto um investimento global de 750 milhões de euros para dinamizar os regadios em Portugal, em iguais montantes de verbas para a componente de modernização e ampliação e para a vertente de construção de novas áreas de regadio coletivo em Portugal.

Levantando um pouco o véu sobre as conclusões desse estudo da EDIA, Maria do Céu Antunes disse que a taxa de comparticipação para o regadio coletivo eficiente será de 100% e que será feita uma hierarquização dos sistemas de rega coletiva onde serão aplicados os investimentos previstos no PNI 2030.

“Pedimos à EDIA para fazer um estudo sobre os sistemas de rega coletiva que teremos de melhorar e quais poderão ser alargados. E também para saber quais as regiões de Portugal onde existem condições de solo e de água para podermos construir sistemas eficientes de rega coletiva”, adiantou a ministra da Agricultura, assinalando que “vamos poupar água”.

Maria do Céu Antunes quis aproveitar a ocasião de estar presente no último dia da Fruit Attraction, em Madrid, para sublinhar que a agricultura “foi um sector que não falhou, que continuou a apostar e continuou a vender”, em resultado da “excelência dos seus produtos”.

“As oportunidades de negócio têm vindo a crescer. As exportações deste sector [frutas, legumes e flores] cresceram 115% em dez anos. Em pandemia, em 2020, a agricultura continuou a crescer 5,5%, acima do complexo agroalimentar, que cresceu 2,2%”, destacou a titular da pasta da Agricultura.

A ministra referiu ainda que o VAB – Valor Acrescentado Bruto do sector agrícola nacional tem subido a um ritmo 0,5% ao ano, com as exportações a crescerem mais que as importações e, por isso, ” a balança comercial tende a equilibrar-se”.

“Este sector tem demonstrado uma resiliência muito grande, que é importante valorizar”, declarou Maria do Céu Antunes, salientado a sua importância real da agricultura para a economia portuguesa.

Presença na Fruit Attractio supera expetativas da Portugal Fresh

Sobre o balanço da presença de cerca de 35 produtores, parceiros, associações e outras entidades do sector na edição deste ano da Fruit Attaction, a primeira desde que ocorreu a pandemia de Covid-19, Gonçalo Santos Andrade, presidente da Portugal Fresh, relembrou que, no início desta feira, todas as empresas participantes tinham a expectativa de aumentar as suas exportações face a 2020, mas que, “no final as expetativas foram todas superadas”, com um número maior de visitas para potenciais negócios do que o previamente esperado. E voltando à questão dos recursos hídricos, Gonçalo Santos Andrade defendeu que “este é um sector em que a água, o investimento e a mão-de-obra têm de andar de mãos dadas com a sustentabilidade ambiental e social”.

Relacionadas

Estado aumenta capital da EDIA em 7,6 milhões de euros (com áudio)

O aumento de capital ocorre através da emissão de 1.535.817 de ações nominativas, no valor de 5 euros cada, segundo informou esta segunda-feira a empresa responsável pelo investimento e gestão no projeto de regadio do Alqueva.

Alqueva: água tem sido utilizada de forma eficiente e ainda está longe de esgotar o seu potencial

Numa apresentação feita durante a conferência, que tinha como tema o “Pacto Ecológico Europeu, do Prado ao Prato” e foi transmitida pela plataforma multimédia da JE TV, o presidente da EDIA, José Pedro Salema enumerou medidas que têm sido seguidas para assegurar uma agricultura sustentável, no quadro do Alqueva, e otimizar recursos.

Ministério da Agricultura promove estudo para saber as necessidades de investimento no regadio até 2030

Este estudo será coordenado pela EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva.
Recomendadas

Governo abre aviso a fundo de apoio de 40 milhões para o setor do vinho

O setor do vinho pode candidatar-se a um fundo de apoio para a transformação e comercialização de produtos agrícolas, dotado de 40 milhões de euros, anunciou este sábado a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

Governo altera medida do Programa de Desenvolvimento Rural para permitir submissão de novas operações

Esta alteração tem em vista a submissão de novas operações, introduzindo custos diretos e indiretos na modalidade de custos simplificados “com base numa taxa fixa de 40% dos custos diretos de pessoal elegível”.

Confederação rejeita escassez de alimentos no futuro mas alerta para falta de mão de obra e máquinas agrícolas

O grupo concluiu que o risco de virem a faltar bens alimentares nos principais canais de distribuição não está em cima da mesa, mesmo depois da polémica levantada pelo sector da distribuição.
Comentários