Ministra da Saúde admite que apoio médico aos lares “foi difícil de enquadrar” legalmente

“Morreram mais de 700 pessoas em lares”, recordou o deputados do PSD, Ricardo Baptista Leite. “No nosso país estima-se que 35 mil idosos estejam a viver em mais de três mil e quintos lares ilegais”, afirmou hoje no Parlamento.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A ministra da Saúde, Marta Temido, assumiu que o apoio médico aos lares “foi difícil de enquadrar” legalmente, durante audição conjunta com a ministra dos Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, esta quarta-feira, 16 de setembro.

“Um dos problemas que temos em cima da mesa é a do apoio médico a estas estruturas”, referiu Marta Temido sublinhando que esta “foi uma realidade que foi difícil de enquadrar [legalmente], nós temos uma portaria , no ministério da Saúde que de alguma forma dispensa”.

Uma resposta ao deputado do PSD, Ricardo Baptista Leite que considerou que “o Estado falhou naquilo que é a proteção dos mais vulneráveis” e recordou que o “primeiro-ministro disse mais que médicos foram chamados a prestar cuidados às pessoas de Reguengos de Monsaraz e que estas se recusaram a ir. “É fundamental saber o nome destes médicos e que processos disciplinares foram instaurados a estes médicos”, pediu Ricardo Baptista Leite.

Por sua vez, Marta Temido garantiu que “determinamos auditoria da Inspeção-geral das Atividades em Saúde (IGAS) porque quem quer que sejam as responsabilidades, nossas ou de outros elas tem de ser apuradas”. A ministra da Saúde também frisou que por detetar a falta de apoio médicos nos lares “no dia 24 de abril tivemos a iniciativa de determinar o seguimento diário”.

Marta Temido garantiu que ao longos dos últimos meses “aprendeu-se muito e aprendeu-se de uma forma muito pesada porque com cada uma destas mortes, com cada um destes óbitos , sentimos que falhamos um pouco e isso leva-nos sobretudo a pensar que temos de ser melhores para a próxima e é isso que estamos a tentar fazer.

“Morreram mais de 700 pessoas em lares”, lembrou o deputados do PSD realçando que “no nosso país estima-se que 35 mil idosos estejam a viver em mais de três mil e quintos lares ilegais”. Ricardo Baptista Leite também apontou que o problema nos lares de idosos deveria ser gerido a partir do terreno  e não com “normas, decretos, orientações”.

Quanto à lista de lares de Estado e lares privados, bem como das suas condições, pedida pelo PSD ao Governo, Ricardo Baptista Leite requisitou que fosse “enviada à Assembleia da República” e citou que Ana Mendes Godinho é da opinião que a situação nos lares de idosos “era previsível”, em contraste com o que disse Marta Temido em março. “Estou a citar, neste domingo a nossa preocupação central foca-se nas estruturas residências para idosos sejam elas unidades de cuidados integrados pertencentes à rede nacional, sejam lares privados”, destacou o deputado do PSD.

O pedido do PSD contraria a opinião do deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro, que afirmou que “dos partidos não vamos ouvir nenhum contributo concreto, essa seria a vossa responsabilidade também” e perguntou de que forma “é que o PSD, CDS e o PAN pretendem trazer contributos positivos para este debate”.

Tiago Barbosa Ribeiro também enalteceu que “ao tacar o Governo por esta questão sabem que quem tem de garantir em primeiro lugar o enquadramento da segurança nos lares e as condições” que cabem às instituições.

 

Ler mais
Relacionadas

Marta Temido admite “situação mais complexa” nas visitas das equipas multidisciplinares a lares em Lisboa e Vale do Tejo

Marta Temido explicou atraso com a evolução da pandemia nessa região do país e garantiu que a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde irá revelar em breve conclusões sobre o surto de Reguengos de Monsaraz. Deputados do Bloco de Esquerda e do PCP questionam atual modelo de institucionalização de idosos.
Recomendadas
Albino Almeida

Assembleias municipais reúnem em congresso com o foco na criação de comissões permanentes

Presidente da assembleia municipal de Vila Nova de Gaia e da Associação Nacional de Assembleias Municipais, Albino Almeida destaca que o segundo congresso da entidade, que decorre no sábado em Braga, irá debater “Os Novos Desafios do Poder Local”. Com a Covid-19 e as autárquicas de 2021 em pano de fundo, o dirigente realça a necessidade de preparar melhor os eleitos para os “parlamentos das autarquias”.

“Sabemos que as mudanças acontecem”. Marta Temido desvaloriza polémica com Jamila Madeira

“As remodelações fazem parte das dinâmicas dos Governos, quando se faz uma alteração procura-se afinal melhorar métodos de trabalho. Quando vim para esta pasta percebi o enorme respeito quem tem de se ter por quem ocupa estes cargos”, esclareceu a governante em conferência de imprensa.

EUA: Juiz federal bloqueia decisão de Trump contra correios

Depois do processo movido por 14 estados, um juiz federal de Washington decretou que as alterações à política dos correios norte-americanos colocam em risco o funcionamento adequado da instituição.
Comentários