Missão cumprida. Nuno Freitas demite-se da CP por considerar que atingiu os objetivos

Engenheiro deixa de exercer funções na próxima sexta-feira, sendo que o mandato terminava dentro de três meses.

Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Nuno Freitas vai deixar de exercer o cargo de presidente da CP – Comboios de Portugal na próxima sexta-feira, dia 1 de outubro. A informação é avançada pela edição do jornal “Público” desta terça-feira, 28 de setembro, que dá conta de que esta decisão se prende com o facto do engenheiro ter concluído todos os objetivos a que se propôs.

O mandato de Nuno Freitas terminava dentro de três meses, mas em comunicado enviado aos trabalhadores da empresa, o engenheiro salientou que o seu compromisso com a CP “contemplava apenas um mandato”, e que atingidos os objetivos decidiu expor a sua vontade em sair ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

“Concluído o trabalho a que me propus, solicitei a antecipação do fim desse mandato em três meses. Depois de expor pessoalmente a minha vontade e razões ao senhor ministro, obtive o seu acordo para antecipação da minha saída”, indica o comunicado.

Foi Pedro Nuno Santos que em 2019 levou Nuno Freitas a assumir a presidência da CP, sucedendo a Carlos Gomes Nogueira, que estava em funções desde 2017. Para o seu lugar, entrará agora o vice-presidente Pedro Moreira.

Recomendadas

Sonae, SAP e Nestlé lideram programa europeu de requalificação de profissionais

De acordo com o comunicado divulgado esta sexta-feira, a primeira ação de formação será liderada pela Nestlé, dirigindo-se à requalificação de profissionais para o setor da Indústria. A formação para Técnicos de Manutenção irá arrancar em janeiro de 2022 no Serviço de Formação do Porto do IEFP e terá a duração aproximada de seis meses.

Teletrabalho. CES, parceiros sociais e Escola Nacional de Saúde vão estudar impacto do trabalho remoto

Explica o Conselho Económico e Social em comunicado que este projeto “tem como objetivo compreender de que forma o teletrabalho pode afetar a saúde mental e física dos funcionários e, indiretamente, o bem-estar no trabalho, a organização das empresas e a sua produtividade”.

Ordem dos Economistas. Veja ou reveja a entrevista a António Mendonça, novo bastonário da Ordem

A 7 de outubro, o então candidato a bastonário destacou em entrevista ao JE que o objetivo da sua candidatura passava por mudar a Ordem, prestigiar os economistas e colocar esses profissionais ao serviço do crescimento económico do país, nomeadamente no que diz respeito ao acompanhamento e monitorização do Plano de Recuperação e Resiliência. António Mendonça foi eleito esta sexta-feira, numa corrida eleitoral que contou com a presença de Pedro Reis.
Comentários