Moçambique quer Banco Mundial para reformas estruturais e FMI como avalista

O ministro das Finanças de Moçambique disse hoje, em entrevista à Lusa, que quer o Fundo Monetário Internacional (FMI) como “avalista” da política económica do país e precisa de instituições como o Banco Mundial para apoiar as reformas estruturais.

Em Bali, na Indonésia, onde participa nos Encontros Anuais do FMI e do Banco Mundial, Adriano Maleiane defendeu que é importante que o Fundo assuma um papel de “avalista” das políticas económicas que estão a ser seguidas e que continue a “prestar assistência técnica”.

O ministro explicou que essa ajuda deve prosseguir “no domínio da mobilização de recursos”, na área da administração tributária, na elaboração dos projetos”, para que, depois, o FMI possa passar a mensagem de que Moçambique “está no bom caminho”, sobretudo após ter avançado com “a consolidação fiscal com sucesso e medidas difíceis como a eliminação de subsídios”. Ou seja, “reconhecer o esforço” e passar a mensagem aos mercados de que Moçambique “está no bom caminho”, admitiu.

Por outro lado, o ministro das Finanças defendeu um programa a acordar com instituições como o Banco Mundial. “O programa que nós precisamos é de um programa de reforma estrutural, por exemplo no âmbito do Banco Mundial, de outras instituições especializadas. Isso nós precisamos muito”, em especial ao nível de infraestruturas, escolas, educação, estradas”, enumerou.

O Fundo Monetário Internacional antecipa uma subida da dívida pública em Moçambique nos próximos cinco anos, aumentando de 112,9% em 2018 para 130,7% em 2022, antes de descer para os 122,1% em 2023.

De acordo com o ‘fiscal monitor’, divulgado na quarta-feira em Bali, onde decorrem até hoje os encontros anuais do FMI e do Banco Mundial, a dívida pública de Moçambique vai subir, nos próximos cinco anos, para 118,7% no próximo ano, com um pico de 130,7% em 2022.

A média do valor da dívida pública na África subsaariana será de 41,7% este ano, quase três vezes menos que a projeção do FMI para o endividamento de Moçambique.

Já no final de setembro, a agência de notação financeira Fitch decidira manter o ‘rating’ de Moçambique em incumprimento financeiro (‘default’) devido à incapacidade do Governo para chegar a acordo com os credores ou pagar as prestações da dívida pública.

A agência de notação financeira Fitch antecipa um crescimento de 3,5% para Moçambique este ano, abaixo dos 3,7% do ano passado, e um défice orçamental de 5,7% ou 6,9%, incluindo as dívidas atrasadas.

Ler mais

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários