Montepio e Associação Mutualista defendem escolha de João Ermida para chairman do banco

O nome de João Ermida para desempenhar aquele cargo já foi “submetido formalmente ao Banco de Portugal”, com o conhecimento da Associação Mutualista.

O processo de eleição de João Ermida para chairman do Banco Montepio foi objeto de esclarecimento, através de um comunicado conjunto entre a instituição bancária e a Associação Mutualista, dona do banco, divulgado na manhã desta quinta-feira, e enviado às redações, no dia em que a nova administração da Associação Mutualista, liderada por Tomás Correia, toma posse. O nome de João Ermida para desempenhar aquele cargo já foi “submetido formalmente ao Banco de Portugal”, com o conhecimento da Associação Mutualista, lê-se na nota, como de resto o Jornal Económico avançou.

Quem propôs o nome de João Ermida para chairman do Banco Montepio?

De acordo com a nota conjunta divulgada, foi o presidente da Associação Mutualista, Tomás Correia, que “endereçou o convite a João Ermida”. O nome proposto para o cargo de chairman do Banco Montepio resultou de uma “articulação” entre Carlos Tavares, que atualmente acumula as funções do presidente do Conselho de Administração do banco (atual chairman) com as de presidente da Comissão Executiva da instituição bancária (atual CEO do banco), e Tomás Correia, recentemente reeleito presidente da Associação Mutualista, dona do Banco Montepio.

O comunicado esclarece que tal se deu porque o Banco de Portugal (BdP), supervisor bancário em Portugal, concedeu um prazo adicional, que finda no próximo dia 21, durante o qual Carlos Tavares pode acumular as funções de chairman e de CEO do Banco Montepio.

Em que fase está o processo de eleição de João Ermida para chairman do Banco Montepio?

De acordo com o comunicado, “neste momento”, já está a decorrer no BdP “o processo de avaliação prévia da pessoa proposta para a função de chairman do Banco Montepio, [João Ermida]”. De resto, o supervisor apenas irá emitir uma opinião no final deste processo, informa a nota.

Além disso, foi na passada quinta-feira, dia 27 de dezembro, que o Conselho de Administração da Associação Mutualista “formalizou o acordo à proposta submetida, informando consequentemente o supervisor prudencial”, isto é, o BdP.

No entanto, antes de o processo ter dado entrada no BdP, e depois de Tomás Correia, em articulação com Carlos Tavares, ter endereçado o convite a João Ermida, a Comissão de Auditoria do Banco Montepio emitiu um parecer favorável à nomeação de João Ermida para chairman do banco.

“Na sequência destas iniciativas, o Presidente [da Associação Mutualista] endereçou convite a João Ermida e, atendendo ao período eleitoral na instituição, foi adotado o procedimento de pedido de autorização prévia à respetiva nomeação; tal pedido foi, como dispõe a regulamentação, devidamente instruído pelo Banco – incluindo o parecer favorável da Comissão de Auditoria – e submetido formalmente ao Banco de Portugal com o conhecimento [da Associação Mutualista]”.

Caberá agora ao BdP avaliar a proposta de João Ermida para se tornar no próximo chairman do Banco Montepio.

 

Ler mais
Relacionadas

Avaliação de João Ermida para chairman do Montepio já deu entrada formal no Banco de Portugal

A Associação Mutualista, dona do Banco Montepio, propôs ao BdP o nome de João Ermida para chairman do banco. O processo já deu entrada formal no supervisor bancário há algum tempo e está agora a conduzir o processo de adequação e e avaliação.

Carlos Tavares leva proposta de João Ermida para Chairman do banco à Associação Mutualista

João Ermida vai ser proposto para Chairman do Banco Montepio. O nome deverá passar no Conselho Geral da Mutualista. O processo será enviado para o Banco de Portugal depois de aprovado pela acionista do banco.

Venda do moçambicano Banco Terra prejudica lucros do Montepio em 3,6 milhões de euros

Apesar do impacto negativo, a operação de venda teve impactos positivos ao nível dos rácios de capital devido à diminuição dos ativos ponderados pelo risco, segundo a Caixa Económica Montepio Geral.
Recomendadas

BES: Banco de Portugal e Ministério Público recorrem de absolvição da KPMG

Em resposta à Lusa, o Banco de Portugal (BdP) afirma que interpôs na quinta-feira “recurso para o Tribunal da Relação quanto à sentença proferida pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão no processo n.º 80/19.5YUSTR, que absolveu a KPMG Portugal e cinco dos seus auditores da decisão condenatória proferida pelo Banco de Portugal no processo de contraordenação n.º 100/14/CO”.

Notas contrafeitas retiradas de circulação pelo Banco de Portugal recuam 26% em 2020

O maior número de notas contrafeitas foi de 20 euros (6.292) e de 50 euros (3.034), tendo ainda sido apreendidas 1.823 notas de 10 euros, 443 notas de 100 euros e 324 notas de cinco euros.

Natixis quer transferir mais de 200 postos de trabalho para o Porto

O banco com sede em Paris apresentou o plano aos sindicatos no início desta semana e que ao pessoal afetado serão oferecidos pacotes para sair voluntariamente ou novas funções.
Comentários