Montepio retira Finibanco Angola dos ativos à venda e inclui Montepio Valor e Banco Montepio Geral Cabo Verde

Nas contas de 2020 o Banco Montepio assume que o Finibanco Angola deixou de ser uma operação em descontinuação para voltar novamente a consolidar pelo método contabilístico normal. Logo é como se já tivesse desistido da venda. Por outro lado, o Montepio Valor é o Banco Montepio Geral Cabo Verde passaram a ser operações em descontinuação porque foi decidido alienar estes ativos.

O Banco Montepio mudou a forma de contabilização do Finibanco Angola nas contas, uma vez que a venda, cinco anos anos depois de as negociações terem sido desencadeadas, não se concretizou.

Pelo que a administração do banco teve de alterar a forma como contabiliza esta subsidiária, ou seja, o Finibanco Angola deixou de ser uma operação em descontinuação para voltar novamente a consolidar pelo método contabilístico normal. Logo, é como se o Banco Montepio já tivesse desistido da venda.

Por outro lado, o Montepio Valor é o Banco Montepio Geral Cabo Verde passaram a ser operações em descontinuação porque foi decidido alienar estas participações.

“No âmbito das deliberações tomadas pelos Órgãos de Gestão e de Administração, as subsidiárias Montepio Valor e Banco Montepio Geral Cabo Verde passaram a ser classificadas nas demonstrações financeiras de 2020 em ativos não correntes detidos para venda – operações em descontinuação, em conformidade com o estipulado pela IFRS 5, tendo o Finibanco Angola deixado de reunir as condições previstas nesta norma. Neste contexto, os períodos anteriores a dezembro de 2020 foram reexpressos para serem comparáveis”, explica o banco liderado por Pedro Leitão no comunicado de apresentação de resultados onde a instituição registou prejuízos de 80,7 milhões.

A tentativa de venda do Finibanco Angola remonta a agosto de 2015 o grupo Montepio anunciava o inicio de um processo de desinvestimento no Finibanco Angola, alienando 30% da posição na instituição africana ao banqueiro Mário Palhares (líder do BNI) e reduzindo a presença para 51% do capital naquele banco.

Depois, o Banco Montepio anunciou em maio de 2019 que iniciou negociações para avançar com uma fusão entre o Banco de Negócios Internacional (BNI) Angola e o Finibanco Angola.

No relatório e contas do Banco Montepio de 2019 era dito que “no âmbito da redefinição estratégica das participações internacionais, e com vista a recentrar a abordagem para o mercado africano, encontra-se em curso um conjunto de diligências com vista à desconsolidação da participada Finibanco Angola, na qual com referência 31 de dezembro de 2019 o Grupo Banco Montepio detinha o controlo e uma participação efetiva de 80,22%”.

Mas nas contas de 2020 essa expectativa desapareceu do horizonte.

Fonte oficial do BNI Angola não quis fazer comentários.

Ler mais
Recomendadas

Santo Antão vai ter quinto aeroporto internacional de Cabo Verde com pista de 2 mil metros

O aeroporto internacional de Santo Antão vai ficar localizado na zona de Ponta do Morro Preto, a sete quilómetros da cidade do Porto Novo, e nas imediações de Casa de Meio, no mesmo concelho.

Marcelo Rebelo de Sousa vence prémio da CPLP 

Segundo o embaixador Francisco Ribeiro Telles, “o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi escolhido por consenso” entre os membros do júri, os embaixadores dos nove Estados-membros da CPLP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários