Moody’s prevê crescimento global “fraco” até 2021. A culpa é da guerra comercial EUA-China

Relatório da agência de rating põe a escalada das disputas comerciais no topo da lista de riscos económicos globais.

A Moodys antevê que a economia global registe um ritmo de crescimento “fraco” nos próximos dois anos, com uma desaceleração para um crescimento tendencial mais lento no longo prazo.

No relatório Global Macro Outlook 2020-21, publicado esta quinta-feira, a agência de rating salienta que o sentimento de negócios nas principais economias se tornou “pessimista”, dada a incerteza das políticas comerciais.

Embora não espere que a economia global entre em recessão em 2020 ou 2021, a empresa frisa que o ambiente económico atual se caracteriza por um crescimento estruturalmente baixo e inflação baixa, sem espaço para políticas que invertem este cenário, o que torna a economia global “mais vulnerável a desenvolvimentos negativos”.

A Moody’s espera que as economias do G-20 cresçam em conjunto a uma taxa anual de 2,6% em 2020, o mesmo ritmo deste ano. As previsões melhoram ligeiramente para 2,8% em 2021, mas “abaixo do nível médio nas últimas décadas”.

O relatório põe a escalada das disputas comerciais no topo da lista de riscos económicos globais. Embora um acordo comercial entre os EUA e a China pudesse ser um progresso significativo na redução das tensões, isso “não reduziria substancialmente” a incerteza que está a pesar nas decisões de negócios.

Por outro lado, a política monetária nas economias avançadas está limitada, e as taxas de juros mais baixas só podem ajudar a promover o crescimento através de crédito nos países emergentes.

Ler mais

Recomendadas

Desemprego aumenta 1,5% em dezembro, diz IEFP

No final do mês de dezembro de 2019, estavam inscritos nos Centros de Emprego 310.482 indivíduos, o que corresponde a uma variação homóloga de -8,4% (28.553 pessoas) e a uma variação mensal de 1,5% (4.521 pessoas).

Saldo conjunto das balanças corrente e de capital cai para 1.209 milhões em novembro

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se, até novembro, nos 1.209 milhões de euros, menos de metade dos 3.415 milhões de euros obtidos no período homólogo, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Fruta Feia já tirou duas mil toneladas do lixo e entregou 1 milhão de euros aos agricultores

Isabel Soares, mentora da cooperativa Fruta Feia explicou que chegar a este número em seis anos de existência do projeto significa que este é “um modelo que funciona e que conseguiu, baseado na responsabilidade do consumidor, salvar duas mil toneladas [de alimentos] do lixo”.
Comentários