Moody’s sobre eleição de Boris Jonhson: “É improvável que a incerteza relacionada com o Brexit diminua”

Embora os analistas da Moody’s admitam que a vitória dos conservadores “signifique que provalvemente o Brexit ocorra rapidamente”, é igualmente salientado que “outros desafios” permaneçam, sobretudo os relacionados com “risco fiscal elevado e baixa produtividade, se não ocorrerrem “mudanças significativas nas políticas” do Reino Unido.

A agência de notação financeira Moody’s não acredita que a vitória eleitoral do Partido Conservador, liderado por Boris Johnson, no Reino Unido represente uma diminuição imediata da incerteza social e económica motivada pelo processo de saída do país da União Europeia (UE), vulgo Brexit.

“É improvável que a incerteza relacionada com Brexit diminua a curto-prazo, dado o período de transição relativamente curto com o qual o primeiro-ministro está atualmente comprometido”, lê-se numa nota da agência norte-americana emitida esta sexta-feira, 13 de dezembro.

Embora os analistas da Moody’s admitam que a vitória dos conservadores “signifique que provalvemente o Brexit ocorra rapidamente”, é igualmente salientado que “outros desafios” permaneçam, sobretudo os relacionados com “risco fiscal elevado e baixa produtividade, se não ocorrerrem “mudanças significativas nas políticas” do Reino Unido.

Cerca de 46 milhões de britânicos votaram na quinta-feira nas eleições legislativas antecipadas no Reino Unido, as terceiras em menos de cinco anos, convocadas pelo governo para tentar desbloquear o impasse criado no parlamento pelo processo de saída do país da UE. O resultado eleitoral determinou a continuidade de Boris Johnson, líder dos conservadores, como primeiro-ministro britânico.

O Partido Conservador garantiu maioria absoluta parlamentar. Pelas 8h00, com 648 dos 650 dos assentos atribuídos, o Partido Conservador garantia já 363, contra 203 do Partido Trabalhista (que perdeu 59), e 48 do Partido Nacionalista Escocês (SNP).

Com a vitória reconhecida, Boris Johnson prometeu já esta sexta-feira que o Brexit vai para a frente a 31 de janeiro, o prazo estabelecido pela UE. “Vou pôr fim a este absurdo e vamos consegui-lo até 31 de janeiro”, assegurou Johnson aos seus apoiantes,

“[O Brexit] é agora uma decisão irrefutável, indiscutível e irresistível do povo britânico”, que “põe fim à miserável ameaça de outro referendo”, declarou.

Ler mais
Relacionadas

Libra a valorizar depois da vitória de Boris Johnson

A moeda do Reino Unido ganha mais de 1,30% face ao euro e ao dólar, e o índice bolsista FSTE 100 está a negociar com uma subida de 1,78%, para 7.403,08 pontos.

Boris Johnson promete Brexit a 31 de janeiro

Com 648 dos 650 dos assentos atribuídos, o Partido Conservador garantiu já 363, contra 203 do Partido Trabalhista, que perdeu 59, e 48 do Partido Nacionalista Escocês.

Partido Conservador britânico oficialmente vencedor após garantir maioria absoluta

O Partido Conservador garantiu hoje uma maioria absoluta e venceu oficialmente as eleições legislativas britânicas, apesar de a contagem dos votos continuar em curso.
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários