Morreu Bernie Madoff, o banqueiro de Wall Street responsável pelo maior esquema em pirâmide da história

O banqueiro que passou de uma figura respeitada em Wall Street e na banca norte-americana a ter de se apresentar em tribunal com colete à prova de bala faleceu esta quarta-feira na prisão, onde cumpria uma sentença de 150 anos.

Morreu Bernie Madoff, o conhecido banqueiro norte-americano responsável pelo maior esquema em pirâmide da história. O nova-iorquino de 82 anos faleceu esta quarta-feira na prisão onde cumpria uma pena de 150 anos, reporta a Associated Press (AP).

O banqueiro terá morrido de causas naturais, informa a AP, citando fontes anónimas, num centro médico da Carolina do Norte. No ano passado e já com o mundo mergulhado na pandemia de Covid-19, os advogados de Madoff haviam tentado a libertação daquele que foi visto durante anos como uma das figuras mais importantes da banca norte-americana, dada a idade avançada do detido e as suas complicações renais, um fator de risco perante a SARS-CoV-2. O pedido foi recusado.

Madoff ficou célebre internacionalmente quando, em 2008, o seu esquema Ponzi foi descoberto pelas autoridades no pico da crise financeira. Confessando ter defraudado em milhares de milhões de dólares várias empresas, particulares e instituições de caridade e sem fins lucrativos, o banqueiro tornou-se das figuras mais odiadas nos EUA, tendo mesmo sido obrigado a apresentar-se em tribunal com um colete à prova de bala, como recorda a AP.

A fraude chegou a dezenas de milhares de investidores, que acabaram envolvidos num esquema avaliado em cerca de 65 mil milhões de dólares (54,36 mil milhões de euros). Um agente fiduciário apontado pelo tribunal aquando do julgamento do banqueiro conseguiu já recuperar 13 mil milhões de dólares (10,88 mil milhões de euros) dos 17,5 mil milhões de dólares (14,64 mil milhões de euros) aplicados pelos investidores.

O esquema defraudou, apontam os investigadores, 37 mil pessoas em 136 países durante quatro décadas, incluindo estrelas de Hollywood como Steven Spielberg ou Kevin Bacon, relembra a CNBC, bem como milhares de anónimos.

Com esperança de tornar o malogrado nova-iorquino um exemplo de justiça em casos de crimes financeiros, Madoff passou de prisão domiciliária para um estabelecimento prisional, onde cumpriria a sua sentença máxima de 150 anos. Morreu agora, deixando a sua esposa, isto depois de ambos os filhos terem já falecido, um deles fruto de suicídio perante a vergonha causada pelos crimes do pai.

[notícia atualizada às 15h31]

Ler mais
Recomendadas

União Europeia exige cessar-fogo imediato entre Israel e Palestina, Hungria abstém-se

O chefe da diplomacia da UE apontou que o único país a abster-se de firmar esta tomada de posição foi a Hungria”, sendo que “não é uma novidade” que o tenha feito.

Moçambique. EUA esperam “conclusão satisfatória” do conflito em breve

“Estamos comprometidos com o Governo [moçambicano] a fazer todos os possíveis para proteger civis, prevenir futuros ataques e aliviar o sofrimento. (…) Esperamos que sejamos capazes de enfrentar e chegar a uma conclusão satisfatória muito em breve”, afirmou Linda Thomas-Greenfield.

Santos Silva partilha “graves preocupações” com Turquia

O chefe da diplomacia portuguesa reconheceu que tal “é muito preocupante, porque a Turquia é um pais candidato à integração europeia, além de ser um grande vizinho da Europa e um parceiro muito importante em varias áreas de segurança, natureza geoestratégica e outras”.
Comentários