Mortágua atira a Centeno: “É um erro deixar o Banco de Portugal governar no Terreiro do Paço”

Com a discussão na especialidade à porta, a deputada do Bloco de Esquerda responde a argumentos do Governador do Banco de Portugal e diz resposta à crise pelas “margens” é uma “receita para o desastre”.

Cristina Bernardo

Mário Centeno deixou ontem avisos à navegação, numa altura em que a esquerda ainda procura conquistas para o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), e Mariana Mortágua não deixou passar incólume a mensagem do atual governador do Banco de Portugal (BdP), que foi interpretada como uma pressão para as negociações na especialidade.

“É um erro deixar o Banco de Portugal governar no Terreiro do Paço”, escreveu a deputada do Bloco de Esquerda, numa publicação no Twitter, na qual acrescenta que “quando a crise está no centro da vida coletiva, na saúde e da economia, responder pelas “margens”, como defende Centeno, é receita para o desastre. Os remendos do Governo não salvam o SNS e o emprego”.

Esta segunda-feira, Mário Centeno defendeu que os apoios públicos implementados na resposta à crise provocada pela pandemia não devem perder o seu carácter excecional, num contexto no qual as políticas públicas devem atuar na margem, promovendo a criação de emprego através do incentivo para novas contratações. “Mais do que nunca a novas políticas devem atura na margem”, disse o responsável pelo regulador bancário, durante a 10.ª Conferência do Banco de Portugal.

O ex-ministro das Finanças vincou que os “apoios devem ser focados”, sendo de “evitar apoiar projetos empresariais inviáveis”, mas sim “apoiar trabalhadores com maiores dificuldades de integração no mercado pós-pandémico” e defende a não alteração estrutural dos apoios sociais, dado que “alterações permanentes irão distorcer os mecanismos de apoio à retoma da atividade” e tornar “mais difíceis de adaptar no futuro”, correndo “o risco e de não responderem à crise que temos em mãos”.

Num artigo de opinião publicado esta terça-feira no “Jornal de Notícias“, a parlamentar bloquista acusa Centeno de “com palavras diferentes e de forma mitigada” ter no seu argumento “a mesmíssima matriz ideológica que, no passado, sustentou as políticas de austeridade e as “reformas estruturais” que castigaram o país”.

“Mário Centeno conforma-se com o pior cenário. E tudo em nome de uma preocupação – o aumento da dívida pública. Ora, a realidade já provou que a dívida é caprichosa e ingrata, que se alimenta do desemprego e da recessão. Políticas débeis, como aquelas sugeridas por Centeno, não conseguirão evitar essa deriva”, acrescenta.

Ler mais
Relacionadas

Centeno defende que “apoios públicos devem ser temporários” e “focados”

Governador do Banco de Portugal diz que os apoios sociais não devem passar por uma alteração estrutural, considerando que “alterações permanentes irão distorcer os mecanismos de apoio à retoma da atividade” e tornar “mais difíceis de adaptar no futuro”.
Recomendadas

PremiumAutorizações legislativas concentradas na pandemia

Aprovação do Orçamento do Estado para 2021 volta a dar ao Governo o poder de fazer decretos-lei, sobretudo para garantir resposta à crise causada pela Covid-19. Destacam-se as medidas excecionais para as autarquias e de valorização do interior.

Personalidades JE: Aníbal Cavaco Silva – Dez anos Presidente depois de uma década de Cavaquismo

Foi pela mão de Sá Carneiro que Cavaco Silva entrou na vida política “e foi nele que procurei inspiração no exercício das funções de Primeiro-Ministro”, como referiu na apresentação do seu último livro. Deixa para a história uma obra mais marcante nos dez anos em que liderou o Governo, nos quais viabilizou em Portugal investimentos tão relevantes como a Autoeuropa, a barragem do Alqueva ou a revitalização urbanística da Expo98. Depois do “Cavaquismo” foi Presidente da República durante outros 10 anos.

PremiumMarcelo deve juntar-se aos oito pré-candidatos a partir de dia 9

Presidente da República adia a sua decisão para depois das renovações do estado de emergência. Marcelo Rebelo de Sousa é já o imcumbente que mais tempo demorou a anunciar a recandidatura.
Comentários