Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.

Mário Cruz/Lusa

Sete dias consecutivos com mais de 400 postos de abastecimento no país sem combustível, reuniões, acusações, uma requisição civil, um plenário e um sindicato isolado na greve que convocou. Os motoristas de matérias perigosas estiveram este domingo cerca de três horas reunidos em plenário, acabando por cancelar a paralisação que havia começado há exatamente uma semana.

O fim da crise energética ainda não foi declarado – o primeiro-ministro dirige-se esta manhã à ENSE para fazer o ponto de situação –, mas os vencedores e vencidos foram logo conhecidos. Não foi necessária uma hora para que os comentadores Luís Marques Mendes e Paulo Portas apelidassem de “derrotado” o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e atribuíssem o galardão ao Governo, por se ter mostrado mais maduro face à greve de abril e por ter calendarizado os serviços mínimos atempadamente.

Longe de declarar paz social, o SNMMP vai voltar amanhã à mesa de negociações e não descarta uma nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostre “intransigente”. A ameaça não mereceu a preocupação da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), que não duvida que as partes chegarão a um consenso nos próximos dois dias, de acordo com as declarações do porta-voz, André Matias de Almeida, à “TVI”.

Na moção aprovada em plenário, o SNMMP apontou o dedo à Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e ao Governo, considerando que a Antram “não alterou substancialmente a sua posição intransigente” e que o Executivo “tentou restringir e eliminar o direito à greve dos motoristas e, consequentemente, dos portugueses”.

À saída do encontro, o dirigente sindical, Francisco São Bento, explicou aos jornalistas que o SNMMP “nunca esteve interessado em prejudicar os portugueses” e que os motoristas de matérias perigosas têm direito a lutar por condições de trabalho dignas. Contudo, o SNMMP evidenciou aí uma posição contraditória tendo em conta que havia convocado a greve com o objetivo de “parar o país”.

A greve teve ainda como intuito reivindicar à associação patronal o cumprimento do acordo assinado em maio, que estabelece uma progressão salarial. Os motoristas querem subidas graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros em janeiro de 2020, 1.550 euros em janeiro de 2021 e 1.715 euros em janeiro de 2022.

Ler mais
Relacionadas
pedro_pardal_henriques_vice_presidente_francisco_são_bento_presidente_SNMMP

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve

A paralisação completou este domingo o sétimo dia. O sindicato, em plenário, deliberou “mandatar a direção do SNMMP para continuar a desencadear todas as diligências consideradas adequadas à defesa dos motoristas”, caso a Antram demonstre uma “postura intransigente” na reunião de terça-feira.

PremiumGreve dos motoristas: Conflito entre sindicatos divide CGTP

O STRUN, sindicato filiado da central, aderiu à greve, mas a Fectrans demarcou-se dessa opção.

António Costa saúda desconvocação da greve e avalia fim da crise energética amanhã

O primeiro-ministro visita na segunda-feira de manhã a Entidade Nacional para o Setor Energético para avaliar as condições para declarar o fim da crise energética e convocar o Conselho de Ministros para esse efeito.
Recomendadas

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.

Primeiro-ministro mentiu à Rainha sobre suspensão do Parlamento? Boris Johnson diz “que não”

Depois do tribunal da Escócia ter acusado o primeiro-ministro de enganar a Rainha Isabel II de um“propósito impróprio de impedir o Parlamento”, Boris Johnson vem agora negar as acusações afirmando que o tribunal do Reino Unido está do seu lado.

Governo britânico com cenário catastrófico de Brexit sem acordo: falta de comida e medicamentos, aumento dos preços da luz, Gibraltar bloqueado

Falta de comida e medicamentos, aumento significativo dos preços, bloqueio de travessias no Canal da Mancha e protestos são algumas das previsões de “pior cenário possível” para um Brexit sem acordo.
Comentários