Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.

Mário Cruz/Lusa

Sete dias consecutivos com mais de 400 postos de abastecimento no país sem combustível, reuniões, acusações, uma requisição civil, um plenário e um sindicato isolado na greve que convocou. Os motoristas de matérias perigosas estiveram este domingo cerca de três horas reunidos em plenário, acabando por cancelar a paralisação que havia começado há exatamente uma semana.

O fim da crise energética ainda não foi declarado – o primeiro-ministro dirige-se esta manhã à ENSE para fazer o ponto de situação –, mas os vencedores e vencidos foram logo conhecidos. Não foi necessária uma hora para que os comentadores Luís Marques Mendes e Paulo Portas apelidassem de “derrotado” o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e atribuíssem o galardão ao Governo, por se ter mostrado mais maduro face à greve de abril e por ter calendarizado os serviços mínimos atempadamente.

Longe de declarar paz social, o SNMMP vai voltar amanhã à mesa de negociações e não descarta uma nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostre “intransigente”. A ameaça não mereceu a preocupação da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), que não duvida que as partes chegarão a um consenso nos próximos dois dias, de acordo com as declarações do porta-voz, André Matias de Almeida, à “TVI”.

Na moção aprovada em plenário, o SNMMP apontou o dedo à Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) e ao Governo, considerando que a Antram “não alterou substancialmente a sua posição intransigente” e que o Executivo “tentou restringir e eliminar o direito à greve dos motoristas e, consequentemente, dos portugueses”.

À saída do encontro, o dirigente sindical, Francisco São Bento, explicou aos jornalistas que o SNMMP “nunca esteve interessado em prejudicar os portugueses” e que os motoristas de matérias perigosas têm direito a lutar por condições de trabalho dignas. Contudo, o SNMMP evidenciou aí uma posição contraditória tendo em conta que havia convocado a greve com o objetivo de “parar o país”.

A greve teve ainda como intuito reivindicar à associação patronal o cumprimento do acordo assinado em maio, que estabelece uma progressão salarial. Os motoristas querem subidas graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros em janeiro de 2020, 1.550 euros em janeiro de 2021 e 1.715 euros em janeiro de 2022.

Ler mais
Relacionadas
pedro_pardal_henriques_vice_presidente_francisco_são_bento_presidente_SNMMP

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve

A paralisação completou este domingo o sétimo dia. O sindicato, em plenário, deliberou “mandatar a direção do SNMMP para continuar a desencadear todas as diligências consideradas adequadas à defesa dos motoristas”, caso a Antram demonstre uma “postura intransigente” na reunião de terça-feira.

PremiumGreve dos motoristas: Conflito entre sindicatos divide CGTP

O STRUN, sindicato filiado da central, aderiu à greve, mas a Fectrans demarcou-se dessa opção.

António Costa saúda desconvocação da greve e avalia fim da crise energética amanhã

O primeiro-ministro visita na segunda-feira de manhã a Entidade Nacional para o Setor Energético para avaliar as condições para declarar o fim da crise energética e convocar o Conselho de Ministros para esse efeito.
Recomendadas

Centeno “ministro” diz em Bruxelas que não espera tomar mais medidas

“Como ministro das Finanças de Portugal, não espero tomar mais medidas. Mas sim, estamos sempre prontos a adotá-las se necessário. E sim, estamos sempre a avaliar riscos. Esse é, aliás, um dos trabalhos mais importantes dos ministros das Finanças”, respondeu, em inglês.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.
Comentários