Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

“Obviamente que não esperávamos este desfecho”, admitiu o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos. O governante disse esta terça-feira que uma das partes quis definir resultados antes da negociação.

Cristina Bernardo

Os motoristas de matérias perigosas e os patrões voltaram a não chegar a acordo, depois de uma reunião de várias horas no Ministério das Infraestruturas e da Habitação. O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) trocaram acusações, mas Pedro Nuno Santos explicou que o conflito se mantém porque uma das partes quis definir resultados antes da negociação.

“Desde abril que o Governo está a trabalhar na mediação e tentámos sempre que o conflito entre privados se resolvesse pelo diálogo (…) . Domingo ficámos com a esperança de que se poderia iniciar este processo de mediação, garantir que estava tudo em aberto e que não havia pré-condições onde se pudesse trabalhar. Infelizmente, não foi isso que aconteceu. Uma das partes não quis”, disse o ministro das Infraestruturas e da Habitação, em declarações esta terça-feira à noite aos jornalistas.

O governante explicou que “os resultados não podem ser impostos antes da mediação” e admitiu que “não aconteça uma nova greve”. “Obviamente que não esperávamos este desfecho”, confessou, aos meios de comunicação social. Pedro Nuno Santos lembrou ainda que houve dois sindicatos [Fectrans e SIMM] que conseguiram chegar a um acordo com a Antram e que “escolheram a via do diálogo”.

Após o encontro entre as partes, que se prolongou por mais de 4 horas, a Antram acusou o SNMMP de recusar a mediação do governo e de “impor à cabeça” o resultado desse processo, mas o sindicato contrariou a associação patronal, poucos minutos depois, e garantiu: “Estamos dispostos a partir para um processo de mediação”.

O porta-voz dos motoristas de matérias perigosas, Pedro Pardal Henriques, apontou o dedo à Antram, defendendo que a associação das empresas de transporte “não quis evitar uma possível greve por 50 euros”. “Dissemos que não abdicaríamos do pagamento das horas extraordinárias, porque é fruto do trabalho das pessoas”, garantiu, adiantando ainda que o sindicato anunciará novas formas de luta amanhã.

Já o porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, denunciou que o sindicato pretendeu “impor” aumentos salariais no subsídio e na remuneração do trabalho suplementar e o pagamento de horas suplementares. “Não é assim que os processos se passam”, assinalou.

Ler mais
Relacionadas
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Sindicato dos motoristas de matérias perigosas anuncia novas formas de luta amanhã

O SNMMP contraria associação patronal: “Estamos dispostos a partir para um processo de mediação”. “Possível paralisação” está em cima da mesa.

Antram: “O sindicato dos motoristas de matérias perigosas recusa mediação”

O porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, afirma que os motoristas de matérias perigosas querem “impor à cabeça aumentos”. “Não é assim que os processos se passam”, disse.

Reunião do Governo com sindicato dos motoristas decorre há cerca de quatro horas

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias desvinculou-se da greve ao quarto dia, na quinta-feira à noite, e vai regressar às negociações com o patronato em 12 de setembro.
Recomendadas
Catarina Martins-Rui Rio

Rio diz se não quisesse vencer as eleições “tinha de ser internado”

Frente a frente do líder social-democrata com Catarina Martins ficou marcado pelas divergências quanto à intenção de renacionalizar empresas e pelas prioridades em relação à saúde.

Marques Mendes: “Centeno é trunfo eleitoral de Costa. À direita, a seguir a Marcelo, é o mais popular”

Luís Marques Mendes revelou em primeira-mão que “amanhã vai sair uma sondagem do Jornal de Notícias e da TSF”, que demonstra uma “quebra do PS, uma subida do PSD e o que número de indecisos cresce para 25% ou mais”.

Debate entre Costa e Cristas na TVI teve 935 mil espetadores

O debate António Costa – Assunção Cristas, na sexta-feira, na TVI, teve um “share” de 21,8%, e foi visto por 935 mil telespetadores, disse hoje à Lusa fonte do canal.
Comentários