MP investiga possível financiamento de campanha de Passos Coelho em 2015 pela Odebrecht

O trabalho do responsável de campanha do PSD em 2011 e 2015, o brasileiro André Gustavo, está a ser investigado por eventuais pagamentos da parte da Odebrecht e associados à barragem de Baixo Sabor, em Bragança

O Ministério Público está a investigar o modo de financiamento da campanha eleitoral às legislativas de 2015 do PSD, liderado à altura por Pedro Passos Coelho, noticia a Sábado em primeira mão. A investigação decorre já desde 2017, mas foi esta semana anexada ao caso EDP.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) recebeu documentação das entidades brasileiras que aponta para pagamentos da construtora Odebrecht, envolvida no processo Lava Jato, ao principal responsável publicitário da campanha social-democrata de 2015, o brasileiro André Gustavo. A revista Sábado reporta a forma como, suspeita o Ministério Público brasileiro, a construtora brasileira terá usado a firma do publicitário em Portugal para financiar a corrida sob o falso pretexto de financiamento de obras em território nacional, nomeadamente a barragem de Baixo Sabor, no distrito de Bragança.

Recomendadas

Líbia anuncia levantamento das restrições à produção de petróleo

Depois de reduzir a produção de crude em 90% desde janeiro, fruto de um conflito entre os dois governos que reclamam autoridade no país, as duas fações anunciaram um acordo para retomar os níveis normais de produção, que contrasta com a posição da maioria dos exportadores de petróleo.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Israel: acordos diplomáticos não favorecem Netanyahu

Apesar do aparato, o acordo entre Israel, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein não está a alavancar o primeiro-ministro, que continua a arriscar eleições antecipadas. O ‘colega’ de coligação, Benjamin Guntz, está ainda pior.
Comentários