MPLA anuncia “maioria qualificada” nas eleições em Angola

Com cinco milhões de votos contados em todo o país, o partido do antigo presidente, José Eduardo dos Santos, canta vitória na votação desta quarta-feira.

Herculano Coroado Bumba

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) anunciou esta quinta-feira a vitória do candidato indicado pelo antigo presidente, José Eduardo dos Santos, João Lourenço, nas eleições gerais angolanas. O partido garante que tem a “maioria qualificada” nas votações, numa altura em que estão apurados cinco milhões de votos e três províncias ainda não votaram.

“Temos vindo a fazer a compilação dos dados que os nossos delegados de lista nos têm remetido, das atas síntese que obtiveram das assembleias de voto a nível de todo o país. E, numa altura em que temos escrutinado acima de cinco milhões de eleitores, o MPLA pode garantir que tem a maioria qualificada assegurada”, afirmou o secretário do Bureau Político, para as questões políticas e eleitorais, João Martins.

“Podemos assegurar que o futuro Presidente da República será o camarada João Manuel Gonçalves Lourenço e o futuro vice-Presidente da República será o camarada Bornito de Sousa Baltazar Diogo”, adiantou.

Esta quarta-feira, mais de 9,3 milhões de angolanos estavam inscritos para escolher entre os seis candidatos a suceder a José Eduardo dos Santos, no poder há mais de 38 anos. Mais de mil angolanos (1.310) das províncias do Moxico, Benguela e Luanda norte ficaram impedidos de votar devido ao mau tempo e só deverão ir às urnas no próximo sábado.

À presidência concorreram o MPLA, desde sempre no poder, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), a Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), o Partido de Renovação Social (PRS), a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e a Aliança Patriótica Nacional (APN).

 

Ler mais
Recomendadas

Argentina prolonga até fim de agosto negociações com os credores

O governo argentino vai apresentar uma nova proposta aos credores para conseguir um acordo de reestruturação de 66 mil milhões de dólares de dívida.

Funchal apresenta “argumentos fortes” a Boris Johnson

Presidente da Câmara escreveu a PM britânico a sublinhar que a Madeira tomou “todas as medidas necessárias” para garantir aos turistas “férias seguras”, enquanto desfrutam de “clima temperado”.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.
Comentários