Mundo está 12% mais endividado do que quando o Lehman Brothers caiu, realça ex-presidente do BCE

Segundo o FMI, em 2016 atingiu-se um novo máximo histórico da dívida mundial, de 164 biliões de dólares, equivalente a 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e desde 2007 só a China é responsável por 43% do acréscimo.

O ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Jean-Claude Trichet alertou hoje para o risco do aumento das dívidas públicas e privadas em todo o mundo e do recurso à alavancagem nos mercados financeiros como antes da crise financeira.

Trichet, que participava no encontro “O que aprendemos dez anos depois da queda do Lehman Brothers”, organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) na sede da organização, em Paris, sublinhou que “a alavancagem financeira (técnica utilizada para multiplicar a rentabilidade através de endividamento) continuou com o mesmo ritmo” e que isso significa que há um grande risco em diferentes setores do sistema financeiro.

O ex-presidente do BCE também recordou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) calculou que o mundo está agora, em termos relativos, 12% mais endividado do que quando o banco norte-americano Lehman Brothers caiu em 15 de setembro de 2008, que marcou o início da última crise financeira.

Segundo o FMI, em 2016 atingiu-se um novo máximo histórico da dívida mundial, de 164 biliões de dólares, equivalente a 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e desde 2007 só a China é responsável por 43% do acréscimo.

O francês que foi o máximo responsável do BCE entre 2003 e 2011 sublinhou também outros fatores que estiveram na origem da última crise e que ainda não foram corrigidos, como a persistência de desequilíbrios macroeconómicos.

Trichet também alertou para o “ressurgimento do nacionalismo, do protecionismo, da xenofobia em todas as economias avançadas”, considerando que este é consequência da desconfiança gerada pela crise.

O ex-presidente do BCE afirmou que a lição da crise se traduziu em certas melhorias, considerando que “se fez um bom trabalho” na supervisão da banca e que houve uma convergência entre os bancos centrais das economias avançadas.

Para o ilustrar, Trichet contou que agora o BCE, a Reserva Federal norte-americana e os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm a mesma definição da estabilidade de preços.

Além do secretário-geral da OCDE, o mexicano Angel Gurria, no encontro da OCDE sobre o fim do Lehman Brothers participam entre outros, o economista chefe do FMI, Maurice Obstfeld ou o ex-ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis.

Ler mais
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.

Miguel Maya: Financiamento do Fundo de Resolução tem de ser analisado com cuidado e rigor

Miguel Maya transmitiu esta posição à margem da V Cimeira do Turismo Português, que está hoje a decorrer em Lisboa, depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de virem a ser encontradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo de resolução sem ser através de empréstimos públicos.
Comentários