Mundo está 12% mais endividado do que quando o Lehman Brothers caiu, realça ex-presidente do BCE

Segundo o FMI, em 2016 atingiu-se um novo máximo histórico da dívida mundial, de 164 biliões de dólares, equivalente a 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e desde 2007 só a China é responsável por 43% do acréscimo.

O ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) Jean-Claude Trichet alertou hoje para o risco do aumento das dívidas públicas e privadas em todo o mundo e do recurso à alavancagem nos mercados financeiros como antes da crise financeira.

Trichet, que participava no encontro “O que aprendemos dez anos depois da queda do Lehman Brothers”, organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) na sede da organização, em Paris, sublinhou que “a alavancagem financeira (técnica utilizada para multiplicar a rentabilidade através de endividamento) continuou com o mesmo ritmo” e que isso significa que há um grande risco em diferentes setores do sistema financeiro.

O ex-presidente do BCE também recordou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) calculou que o mundo está agora, em termos relativos, 12% mais endividado do que quando o banco norte-americano Lehman Brothers caiu em 15 de setembro de 2008, que marcou o início da última crise financeira.

Segundo o FMI, em 2016 atingiu-se um novo máximo histórico da dívida mundial, de 164 biliões de dólares, equivalente a 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e desde 2007 só a China é responsável por 43% do acréscimo.

O francês que foi o máximo responsável do BCE entre 2003 e 2011 sublinhou também outros fatores que estiveram na origem da última crise e que ainda não foram corrigidos, como a persistência de desequilíbrios macroeconómicos.

Trichet também alertou para o “ressurgimento do nacionalismo, do protecionismo, da xenofobia em todas as economias avançadas”, considerando que este é consequência da desconfiança gerada pela crise.

O ex-presidente do BCE afirmou que a lição da crise se traduziu em certas melhorias, considerando que “se fez um bom trabalho” na supervisão da banca e que houve uma convergência entre os bancos centrais das economias avançadas.

Para o ilustrar, Trichet contou que agora o BCE, a Reserva Federal norte-americana e os bancos centrais do Japão e de Inglaterra têm a mesma definição da estabilidade de preços.

Além do secretário-geral da OCDE, o mexicano Angel Gurria, no encontro da OCDE sobre o fim do Lehman Brothers participam entre outros, o economista chefe do FMI, Maurice Obstfeld ou o ex-ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis.

Ler mais
Recomendadas

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Blockchain: Santander faz acordo de 620 milhões de euros para usar tecnologia da IBM

Acordo prevê a incorporação de tecnologias da IBM em áreas como a blockchain, big data e inteligência artificial. CIO do Santander, David Chats, diz que aposta está em linha com a “estratégia de progresso constante”.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).
Comentários