Premium“Não é aceitável que Algarve e Alentejo recebam 5,9% do investimento previsto para a ferrovia”

Para a coordenadora do Movimento Mais Ferrovia, Cristina Grilo, “os transportes são um dos principais problemas do Algarve”.

O “MMF – Movimento Mais Ferrovia” apresentou a sua proposta de investimentos ferroviários prioritários até 2050, propondo a modernização do material circulante da Linha do Algarve pela introdução de comboios ligeiros, do tipo “tram-train”, a ligação ao Aeroporto de Faro, com acesso à praia de Faro e à Universidade e uma linha de Alta Velocidade com traçado paralelo à Via do Infante, ligada à rede da Andaluzia, refere a coordenadora do MMF, Cristina Grilo, em entrevista ao Jornal Económico.

A proposta do MMF já foi remetida aos autarcas e ao Governo?
Sim. Em concreto, o MMF remeteu aos presidentes da Associação de Municípios do Algarve e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, ao ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, e ao secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, o seu contributo para a construção de uma “Estratégia para a Ferrovia do Algarve 20-50”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Crise/Energia: Von der Leyen pede “verdadeiro trabalho de equipa europeu”

“Os preços do gás são cíclicos, e são fixados pelos mercados globais. Mas devido ao aumento do preço do gás, muitas famílias estão a sentir dificuldades para conseguir pagar as contas e as empresas estão em risco de fechar. Segundo facto: a energia solar é hoje dez vezes mais barata de produzir do que há 10 anos, e mesmo a energia eólica – que é, por definição, mais volátil – é hoje 50% mais barata do que há uma década”, disse a presidente da CE.

Concertação Social reúne-se hoje com alterações laborais em cima da mesa

A Concertação Social acontece nas vésperas do Conselho de Ministros de quinta-feira e a uma semana da votação na generalidade da proposta de OE2022, cuja viabilização não está assegurada, uma vez que tanto o BE como o PCP ameaçaram votar contra o documento caso não haja mudanças.

Mais de 60% dos trabalhadores nascidos na década de 90 têm contratos a prazo

A percentagem de contratos a termo nos trabalhadores mais jovens “é muito maior” nas gerações mais recentes face às mais velhas, abrangendo mais de 60% dos nascidos na década de 90, segundo um estudo apresentado pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Comentários