“Não faz sentido que o confinamento seja mais light agora do que foi em março”, diz CDS-PP

O líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, pede “coragem política” ao Governo para ir mais longe nas medidas restritivas e acusa o Executivo socialista de estar a seguir um “princípio de experimentação” em vez do “princípio de precaução”.

António Cotrim/LUSA

O CDS-PP afirmou esta terça-feira que “não faz sentido” que este novo confinamento geral “seja mais light [leve] agora do que foi em março” do ano passado. O líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, pede “coragem política” ao Governo para ir mais longe nas medidas restritivas e acusa o Executivo socialista de estar a seguir um “princípio de experimentação” em vez do “princípio de precaução”.

“Não faz sentido que o confinamento seja mais light agora do que foi em março. Não parece fazer nenhum sentido. Isto cria a ideia de que, em vez de estarmos a seguir um princípio de precaução, estamos a seguir um princípio de experimentação, para ver se resulta ou não resulta. Assim, corremos sempre atrás do prejuízo”, disse, no debate sobre política geral, com o primeiro-ministro, António Costa, na Assembleia da República.

Uma das medidas contestadas pelo CDS-PP é a de decisão do Governo de manter as escolas abertas, pois isso obriga a que os alunos e, em alguns casos, também os pais não cumpram o devido confinamento para ir levar as crianças e jovens às escolas. “Como é que quer ter um confinamento eficaz e rigoroso, quando tem cerca de dois a três milhões de pessoas a circular todos os dias”, atirou a António Costa.

“Para não sacrificarmos um mês que seja, no máximo, de aulas, devemos estar a sacrificar vidas noutras gerações. Não faz sentido”, disse. E deixou uma sugestão ao Governo: “Porque é que não prolonga o ano escolar, e compensa esse mês depois quando a situação estiver mais controlada e a vacinação mais avançada?”. “É coragem política para determinar um confinamento sério”, acrescentou.

Em resposta a Telmo Correia, o primeiro-ministro disse que “o mais fácil para um decisor político era encerrar as escolas”, mas “o custo desse encerramento não é imediato, ao contrário do encerramento dos cafés ou restaurantes”. “O custo de um encerramento agora vai ser pago daqui a 10 ou 20 anos. O que responsável é manter as escolas abertas e, por isso, que vamos fazer tudo para manter as escolas abertas”, sublinhou.

Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários