“Não há medidas extraordinárias até novembro”: PS exige que Albuquerque se retrate

Porta-voz do PS, João Galamba, exigiu que Maria Luís Albuquerque se retrate, defendendo que os dados em contabilidade pública e nacional até novembro apontam já para o cumprimento da meta do défice, sem qualquer medida extraordinária.

“Os dados quer em contabilidade nacional quer em contabilidade pública são conhecidos e o défice até novembro baixa significativamente e permite cumprir a meta com Bruxelas, e os dados até novembro não incluem qualquer receita extraordinária referida por Maria Luís Albuquerque, nem a reavaliação de ativos nem o programa extraordinário de regularização de dívidas”, afirmou João Galamba à Lusa.

A vice-presidente social-democrata Maria Luís Albuquerque afirmou hoje que o Governo só conseguirá cumprir a meta do défice através de “medidas extraordinárias e irrepetíveis”, reclamando que o PSD teve sempre razão.

“Todos nos lembramos bem do que disse Maria Luís Albuquerque em setembro, numa entrevista à televisão, que era aritmeticamente impossível cumprir o défice. Esperamos que se retrate destas declarações, corrija as declarações que fez hoje e reconheça que sim, este Governo está a fazer aquilo que o Governo anterior não foi capaz”, exigiu João Galamba.

O dirigente e porta-voz socialista defendeu que o executivo está a fazê-lo, “sem esconder nada, sem maquilhar contas, garantindo que os portugueses têm não só as medidas que merecem, mas também contas públicas transparentes e com rigor, cumprindo compromissos internos e externos”.

“Percebemos a desorientação do PSD e de Maria Luís Albuquerque, mas pedimos algum pudor aos responsáveis do PSD, nomeadamente a Maria Luís Albuquerque, porque todos nos lembramos do que ela fez enquanto foi ministra: não só nunca cumpriu uma meta do défice, como deixou bastantes encargos para o futuro que este Governo está a tentar resolver”, afirmou.

Relacionadas

Maria Luís Albuquerque sobre o défice: “Nós tínhamos razão”

Ex-ministra das Finanças acredita que cumprimento das metas do défice não seria possível sem medidas extraordinárias do Governo.
Recomendadas

Governo avalia estragos do temporal e estuda apoios aos produtores

Maria do Céu Albuquerque admite a possibilidade de utilizar a medida 6.2.1 de Prevenção de Calamidades e Catástrofes Naturais devido aos estragos do mau tempo de domingo.

Banco Mundial alerta para falta de fundos para os mais pobres

Para David Malpass, o efeito devastador da pandemia na economia mundial é muito superior aos 5 biliões de dólares de riqueza destruída apontados numa primeira estimativa de danos.

Siza Vieira admite aumento do número de insolvências nos próximos tempos

O ministro da Economia admitiu que as empresas que já se encontravam em dificuldades antes da pandemia, e que, por não cumprirem os requisitos exigidos, ficaram à margem dos apoios disponibilizados, “possam chegar a uma situação de insolvência”.
Comentários