Paul Singer, CEO da norte-americana Elliott Management, compra 2,29% da EDP

A Elliott Management é conhecida por investir em ‘distressed assets’, e o histórico da gestora passa pela aposta na quedas das ações da PT em 2014 e uma longa luta para recuperar o investimento em obrigações Argentinas após o ‘default’ de 2002.

Cristina Bernardo

Paul Singer, fundador e CEO da gestora de fundos norte-americana Elliott Management Corporation, comprou uma participação de 2,295% na EDP Energias de Portugal, informou esta terça-feira a energética portuguesa, em comunicado divulgado no site da CMVM.

Singer fundou a Ellliott Management em 1977 e continua a ser presidente, co-CEO, co-Chief Investment Officer da empresa, que opera no mercado com enfoque em ativos de risco (distressed assets), hedging e arbitrage, commodities, dívida e proteção contra a volatilidade.

Segundo o site da empresa, a 1 de julho deste ano, a Elliot tinha cerca de 35 mil milhões de dólares sob gestão.

Entre os elementos essenciais da estratégia da Elliott para gerar retorno consistente para os investidores, incluem-se “uma abordagem oportunistica ao trading”, acrescenta o site.

Segundo a BBC News, a Elliott Management ganhou atenção internacional a partir de 2002 durante o default da dívida soberana argentina. A empresa, que detinha cerca de 630 milhões de dólares em títulos públicos argentinos, recorreu a vários meios para recuperar o investimento e em 2012 obrigou a um novo default do país quando penhorou um navio argentino que estava atracado no Ghana.

Em julho deste ano a gestora de ativos comprou 99,93% do clube italiano AC Milan, após o anterior proprietário Li Yonghong ter entrado em incumprimento em relação a um dívida de 415 milhões de euros à Elliott.

A compra da participação na EDP ocorre dois dias depois de o grupo norte americano Capital Group, que até ao final de setembro era o maior acionista da energética com quase 10%, ter completado a saida do capital.

As ações da EDP fecharam esta terça-feira a subir 1,31% para 3,10 euros, numa sessão em que o índice PSI 20 avançou 0,92%.

A EDP encontra-se sob uma Operação Pública de Aquisição pelo totalidade do capital lançada pela China Three Gorges em maio, com uma contrapartida de 3,26 euros por ação.

[Atualizada às 18h46]

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: Quem é Paul Singer, o novo acionista da EDP?

Paul Singer adora comprar ativos problemáticos. Ganhou o gosto no final dos anos 70 quando constituiu o fundo para gerir o património da família. Já ganhou e perdeu milhões em todo o mundo, incluindo Portugal.

Capital Group deixa de ser acionista da EDP

O grupo norte-americano já tinha reduzido a posição de quase 10% para 2,958% no início de outubro e agora informou que já não tem uma participação na energética liderada por António Mexia.

EDP: Capital Group corta participação de quase 10% para 2,96%

De acordo com o site da EDP, a 30 de junho o Capital Group era o segundo maior acionista da elétrica portuguesa, com uma participação de 9,97%.

Acionistas da EDP processam Estado e responsabilizam-no pelo primeiro ano de prejuízo em Portugal

Empresa revê metas para 2018 e corta estimativa de resultados em 25% a 37,5%, para um valor no intervalo entre 500 e 600 milhões de euros. Em Portugal o resultado será negativo, pela primeira vez desde a reprivatização. Política de dividendos vai manter-se.

EDP revê em baixa expectativa de lucro em 2018 para entre 500 e 600 milhões

Em comunicado ao mercado, a EDP adianta que o recebimento de uma notificação, que determina o pagamento de 285 milhões de euros por alegada sobrecompensação pela disponibilidade das centrais, altera “a expectativa de resultado líquido consolidado do Grupo EDP em 2018”, mas mantém a política de dividendos aos acionistas.
Recomendadas

Tomás Correia, Ribeiro Mendes e Godinho de acordo com código de conduta do banco para as eleições do Montepio

Os líderes das três listas candidatas aos órgãos sociais da Associação Mutualista elogiaram a imposição de um código de conduta na Caixa Económica Montepio Geral durante as eleições da sua acionista, que decorrem no próximo dia 7 de dezembro.

Carlos Ghosn: ascenção e queda do gestor conhecido como “Le Cost Killer”

No setor automóvel, não há ninguém com a sua longevidade. Revitalizou três empresas que ainda hoje perduram e, pelo meio, criou a maior aliança estratégica do mundo que produz 10 milhões de carros por ano. A sua queda poderá alterar a estrutura da indústria mundial automóvel.

Presidente promulga novo modelo de gestão de faixas horárias nos aeroportos

Marcelo Rebelo de Sousa lamenta “prazo de um ano decorrido desde a discussão pública e a versão final do diploma” do Governo que procede à revisão do modelo de prestação dos serviços de atribuição de faixas horárias e de horários facilitados nos aeroportos nacionais.
Comentários