Premium“Não temos memória de uma queda de vendas de veículos tão abrupta”, afirma presidente do Montepio Crédito

As vendas de veículos ligeiros de passageiros caíram 87% em abril, condicionadas pela quase inexistência de compras de frotas para as empresas de rent-a-car, o que tem reflexos no financiamento concedido pelo Montepio Crédito, explica o seu presidente.

Pedro Gouveia Alves, presidente do Montepio Crédito, em entrevista ao Jornal Económico, explica como a queda histórica, registada em abril, nas vendas de veículos em Portugal altera a concessão de novos financiamentos ao sector automóvel.

O crédito e o leasing automóvel são produtos ‘estrela’ do Montepio Crédito. Mas a crise da Covid-19 alterou o ritmo do financiamento à compra ou à utilização de viaturas. As áreas de negócio foram afetadas?
Temos três linhas de negócio, com pesos diferentes. O financiamento automóvel; o financiamento às empresas de transportes e logística; e o segmento de crédito pessoal. Mais de 80% do nosso financiamento é originado via parceiros de negócio. Depois temos uma pequena parte que é de financiamento direto aos clientes particulares. Mas o negócio que nós fazemos é um negócio muito B2B e B2C, via parceiros de negócio. Portanto, toda a atividade está muito dependente destes canais de distribuição, baseados em intermediários de crédito que são o comércio automóvel, por um lado, e nos fornecedores e importadores de equipamentos dos transportes de mercadorias e das frotas de pesados, e equipamentos que dizem respeito à fileira da logística, o que representa pouco mais de um terço da nossa carteira.

De que forma caracteriza abril, o mês do confinamento?
No mês de abril a atividade foi marcada pela evolução negativa do sector automóvel. A matrícula de veículos automóveis em abril baixou significativamente. Se considerarmos todas as viaturas que representam o nosso financiamento, em termos homólogos, em abril de 2020, o mercado caiu 85% na totalidade dos veículos. Se considerarmos só os veículos ligeiros de passageiros, a queda foi de 87%, correspondente a 2.749 vendas, quando as vendas normais andariam acima das 20 mil unidades. Isto é uma queda histórica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários