“Não tenham pressa em conhecer o resto do mundo”. Marcelo pede a portugueses que passem férias “cá dentro”

Além do apelo aos portugueses para que continuem a passar férias em território nacional até ao verão de 2021, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu ainda que a recapitalização do turismo “pode e deve ser feito com a ajuda do sistema bancário”.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, discursou no encerramento da quinta Cimeira do Turismo Português, esta segunda-feira, 28 de setembro e pediu aos portugueses que equacionassem passar férias em Portugal a longo prazo.

“Não tenham pressa em conhecer o resto do mundo, tenham pressa em conhecer melhor Portugal”, apelou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa é da opinião que os portugueses “foram extraordinários ao viajarem este verão, ao percorrerem o país, ao contribuírem para preencher uma parte do vazio deixado pelos estrangeiros que não vieram, ao não irem para o estrangeiro ficando em Portugal, ao descobrirem maravilhas em Portugal”.

“O apelo é muito simples, continuem a fazer o mesmo daqui até ao fim do ano e na passagem de ano e o mesmo daí até à Páscoa se tiverem férias ou tiverem uns dias”, disse Marcelo Rebelo de Sousa acrescentando: “Ao planearem as férias de verão do ano que vem, continuem a pensar como estão a pensar este ano”.

Além do pedido aos portugueses, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que a recapitalização do turismo “pode e deve ser feito com a ajuda do sistema bancários” salientando que este tipo de apoios “são importantes para as empresas em matéria tributária em termos de moratórias , mas ao mesmo tempo o que é fundamental para o emprego, que é fundamental para os trabalhadores, mas é fundamental para a realidade global que são as empresas, para não terem além de se reinventarem, reinventarem com novos trabalhadores”

O Presidente da República considerou “bom que estejamos no final de setembro, olhar para as lições de junho, julho e agosto, é bom. Isso exige uma grande atenção de quem decide , mas também uma grande estabilidade , uma grande solidariedade institucional e uma grande capacidade das medidas serem compreendidas não só pelo universo politico, mas pelo universo social e naturalmente pelos portugueses”.

Quanto a lições a retirar, Marcelo Rebelo de Sousa destacou que “o turismo não pode, por razões estranhas ao setor, ter o arranque tão forte e tao duradouro quanto seria desejável”.

“É um sacrifício em termos de emprego, de angústia e de incerteza para os trabalhadores, é, tem sido , mas o que é facto é que há uma preocupação comum que é passarmos estes seis meses, chegarmos a abril, maio do ano que vem na transição para o verão e podermos dizer: isto já é diferente”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Desta forma, o Presidente da República espera que no próximo verão se possam admitir mudanças por existir uma “capacidade de financiamento externo muito superior. É diferente porque os sinais de retoma já são mais prolongados e mais fortes”.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo responde a embaixador dos EUA: “Em Portugal, quem decide são os representantes escolhidos pelos portugueses”

A agência Lusa questionou o chefe de Estado sobre as declarações proferidas pelo embaixador dos EUA, George Glass, em entrevista Expresso, publicada na edição deste sábado, em que defende que “Portugal tem de escolher entre os aliados e os chineses”.

Portugueses vão ser reembolsados de parte do IVA em novas compras em restaurantes ou hotéis

Em causa está um novo programa de apoio à procura para os setores do turismo e restauração, que constará na proposta de Orçamento do Estado para 2021, segundo o primeiro-ministro.
Recomendadas

Deputada Cristina Rodrigues considera que OE2021 responde “na medida do possível” à crise da Covid-19

A ex-deputada do PAN defende que há ainda questões que podem ser melhoradas na proposta orçamental, mas destaca já alguns avanços do Executivo socialista, sobretudo no que toca à proteção dos animais.
joacine_katar_moreira_livre

OE2021 com viabilização garantida? Abstenção das deputadas não-inscritas resolve impasse

As duas abstenções das deputadas não-inscritas, Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues, dão ao Governo o resultado necessário para aprovar, matematicamente, o Orçamento do Estado na generalidade, com 108 a favor, 103 contra e 19 abstenções. OE2021 seguirá para debate na especialidade.
Cristina Rodrigues

OE2021: Deputada não inscrita Cristina Rodrigues abstém-se e garante viabilização na generalidade

O debate do Orçamento do Estado para 2021 está agendado para terça-feira e quarta-feira no parlamento, sendo votado, na generalidade, no último dia.
Comentários