“Não vamos alterar os esforços para reduzir as emissões no futuro”, afirmou secretário de Estado

Os EUA vão continuar a reunir esforços para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, garantiu hoje o secretário de Estado, Rex Tillerson, um dia depois de Trump anunciar a saída do país do Acordo de Paris.

Kevin Lamarque/REUTERS

Um dia após o presidente norte-americano, Donald Trump, ter confirmado a saída do país do Acordo de Paris, sobre as alterações climáticas, o secretário de Estado, Rex Tillerson, em declarações à imprensa, considerou “importante que o mundo reconheça que os EUA têm um balanço fantástico em termos da redução das próprias emissões de gases com efeito de estufa”. “É algo com o qual nos podemos orgulhar”, sustentou, citado pela Lusa.

O chefe da diplomacia norte-americana, uma das vozes da administração que se opôs à saída do país do acordo, referiu ainda que a redução das emissões de gases foram feitas “sem o Acordo de Paris”, texto assinado no último mês de 2015 por Barack Obama, garantindo que os EUA não tencionam “alterar os esforços para reduzir as emissões no futuro”.

A agência de notícias portuguesa relata que a União Europeia (UE) e a China tiveram uma reação imediata, após o anúncio, apresentando-se como os novos portadores da tocha da diplomacia climática. O Acordo de Paris é “irreversível e inegociável”, sublinharam vários parceiros do país norte-americano.

Recomendadas

Emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 18% na União Europeia

Os responsáveis pela maior parte das emissões de gases com efeito de estufa foram a indústria e construção, o fornecimento de eletricidade e a agricultura (14%), divulga o Eurostat.

Projeto de 31 milhões de euros para proteção florestal vai beneficiar 15 mil hectares

O projeto terá em conta também a redução do risco de incêndio, com a diversificação e combinação de espécies, criação de faixas de gestão de combustível e vigilância regular.

Premium“Não podemos ter mil hectares intervencionados com um enclave”, afirma secretário de Estado das Florestas

Arrendamento forçado é apontado pelo secretário de Estado das Florestas como garantia de que “ínfima minoria” não condicione áreas que podem travar incêndios e garantir apoios a produtores até agora excluídos desses rendimentos.
Comentários