Nasceu no Chiado o gabinete que defende a criação intelectual

Patrícia Akester, ex-consultora da Sérvulo e antiga professora de Cambridge, admite que a controversa diretiva sobre direitos de autor foi um dos aspetos impulsionadores do seu novo negócio.

Pontualidade britânica, gin tónico na mesa e lugar cativo no Grémio Literário. Patrícia Akester, ex-professora e investigadora na Universidade de Cambridge, está pronta para apresentar o seu novo projeto: um gabinete jurídico exclusivamente dedicado à Propriedade Intelectual (PI) e à Inteligência Artificial (IA). A advogada, que passou os últimos anos no Reino Unido, escolheu o ‘palco’ do Grémio, no Chiado, por ter sido fundado em prol da cultura, do convívio e da atividade intelectual, em 1846. Junto aos retratos de Almeida Garrett e de Alexandre Herculano – curiosamente, com visões distintas perante os direitos de autor –, refere ao Jornal Económico que o seu objetivo é, essencialmente, ajudar as entidades públicas a configurar estratégias e políticas que unam estas duas matérias. A ex-consultora da Sérvulo & Associados para tecnologia, PI e proteção de dados considera que são as empresas e instituições do Estado, nomeadamente do poder local, que têm “urgentemente” de rever a sua política cultural.

O chamado “Gabinete de Propriedade Intelectual (GBI/IPO)” nasceu este mês e adveio sobretudo de quatro desafios com os quais se deparou: o crescimento do digital; o impacto dos movimentos que defendem a erradicação do direito de autor – cuja voz mais prevalente é a do “Partido Pirata” – e a fragilidade da fronteira humano-software a que se está a assistir.

O primeiro é um desafio antigo e estafado, mas com o qual se continuará a ter de lidar, cada vez com mais complexidade. Patrícia Akester lembra que o aparecimento da tecnologia digital democratizou o acesso à informação e ao conhecimento e, ao mesmo tempo, relançou a questão de como é que se recompensa o autor, o artista e o produtor. “Não defendo a resistência à tecnologia. Temos de a abraçar, mas abala estruturalmente o direito de autor, porque atira por terra os seus alicerces concetuais e permite a replicação e a disseminação instantânea e quase sem custo de qualquer obra protegida. A revolução digital dá prevalência a este acesso forçadamente gratuito dos conteúdos na internet”, alerta ao JE.

Patrícia Akester já deu apoio jurídico aos escritórios britânicos Fieldfisher e Bristows, à UNESCO, em Paris, ou à fundação Anne Frank Fonds, na Suíça. Atualmente é vice-presidente do Instituto Luso-Árabe para a Cooperação e membro do conselho consultivo da aceleradora de startups Exputnik. O seu percurso nesta área, ao longo de 23 anos, faz jus ao casamento entre tradicionalismo e modernidade, que quer extravasar para o mercado, através do apoio técnico de uma equipa de mais seis pessoas e de um escritório em Oeiras.

Na sua opinião, neste momento, são os autores e os artistas os profissionais que estão mais desprotegidos. “Os produtores discográficos e cinematográficos também têm as suas questões – já não têm os proveitos que tinham por causa dos sistemas peer-to-peer –, mas as mais sérias surgem do lado do autor e do artista. As entidades conseguem ter sistemas de contratação e medidas de proteção para impedir acessos não legítimos”, assegura.

Em relação aos partidos políticos que lutam contra o quadro legal de PI e da propriedade industrial, a académica defende que o movimento “Partido Pirata” tem alguma expressão em Portugal em termos de software, mas não chega ao nível de outras geografias. “Se calhar, não ligamos muito à erradicação do direito de autor, porque não ligamos muito ao direito de autor em si mesmo”, sugere.

Ainda assim, a fundadora deste novo gabinete não nega a existência de “vozes muito fortes” na internet que procuram retirar o criador da equação. Logo, os propulsores deste movimento acabam por tornar o ato ilícito mais ‘justificável’, porque, quando o utilizador pensa apenas na indústria remete automaticamente a sua ideia para o seguinte: as empresas resistem na mesma e não há problema em fazer um download ilegal ou em comprar um álbum pirateado. É por isso que Patrícia – doutorada em International Copyright Law pelo Queen Mary Intellectual Property Research Institute – defende um equilíbrio de interesses criador-utilizador, para haver recompensa ao processo criativo.

Direitos morais à máquina: sim ou não?

Além da ideologia, há outro fator que está a mudar o paradigma e a rotina de empresas e consumidores, mais do que alguma vez mudou a revolução digital no século XX: a Inteligência Artificial (IA). A seu ver, com este fenómeno, voltar-se-á a ter de adaptar as políticas e a legislação em vigor. “Sob o ponto de vista económico, não vejo qualquer problema em proteger a produção, a criação e a invenção que surgem em sede de IA”, admite Patrícia Akester, sublinhando que este processo de humanização da máquina vai exigir uma abordagem específica a nível regional, nacional e internacional a fim de definir quem é, de facto, o criador desse bem/serviço. “Por um lado, atribuímos direitos económicos e direitos morais a um autor, mas não vamos atribuir direitos morais a uma máquina. Por outro lado, se não lhe atribuirmos também esses direitos há certos atos que passam a poder ser realizados e que não poderiam ser se a criação fosse de um ser humano”, alerta.

Em parte, os problemas na fronteira entre estes dois mundos, que se cruzam online, estão a ser resolvidos através da Diretiva sobre direitos de autor no Mercado Único Digital 2016/0280, segundo a mesma advogada.

Mais três anos para transpor a diretiva sobre direitos de autor

“Depois de aprovada em Bruxelas, o nosso Governo terá de a implementar em Portugal, e o processo afetará o país inteiro. O período de transposição são dois anos e eu já estou a dar três à cautela”, afirma. Na verdade, este ato legislativo foi, ele próprio, responsável por espoletar a criação do gabinete, uma vez que as morosas e polémicas negociações – inclusive em torno do Artigo 13º e 11º – confirmaram que os desafios em que Patrícia havia pensado eram tangíveis. “Uma coisa que me impressionou foi a importância que o público deu a tudo isto. Antigamente, estas eram questões a que eu e outros académicos achávamos graça. Hoje, a população estima-as e entende que, quando são resolvidas pelo legislador, têm impacto na sua vida”.

Patrícia Akester alega estar pronta para definir as próximas políticas públicas e legais neste domínio e escolheu figuras como Luís Caldas de Oliveira, professor do Instituto Superior Técnico, e Cristina Fonseca, sócia da gestora de fundos Indico Capital Partners, para a apoiarem no lançamento da primeira pedra.

Artigo publicado na edição nº 1977, de 22 de fevereiro, do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.

Quem pode auditar os créditos do Novo Banco? PwC auditou em 2017, EY em 2018 e KPMG tem legado do BES

Qual é a auditora que tem independência para avaliar os créditos do Novo Banco? Depois da KPMG, da PwC e da EY, só resta a Deloitte das “Big Four” para fazer a grande auditoria aos créditos do banco desde os tempos do BES que os políticos pediram.

PremiumRui Barros: “Estamos a assistir a uma nova tendência: hiperpersonalização”

O responsável da Accenture Technology explica como as novas tecnologias estão a alterar a forma como vivemos e quais as grandes tendências a nível mundial.
Comentários