Navalny nomeado para prémio dos direitos humanos do Parlamento Europeu

“É vital que nós, no Parlamento Europeu, afirmemos o nosso apoio implacável a Navalny e enfatizemos que o seu bem-estar é responsabilidade de Putin”, disse Peter van Dalen, legislador holandês de centro-direita da União Europeia sobre a nomeação do opositor do Kremlin que continua preso na Rússia.

EPA/ Sergei Ilnitsky

O crítico do Kremlin, Alexei Navalny, foi nomeado, esta segunda-feira, para o prémio anual de direitos humanos do Parlamento Europeu, enquanto legisladores da União Europeia procuram manter os holofotes sobre a sua rede pró-democracia, que foi proibida na Rússia antes das mais recentes eleições, avança a “Reuters”.

“É vital que nós, no Parlamento Europeu, afirmemos o nosso apoio implacável a Navalny e enfatizemos que o seu bem-estar é responsabilidade do [Vladimir] Putin”, disse Peter van Dalen, legislador holandês de centro-direita da União Europeia sobre a nomeação do opositor do Kremlin que continua preso na Rússia.

Navalny, que foi envenenado em agosto de 2020 e muitos atribuem o sucedido ao presidente russo, cumpre uma sentença de dois anos e meio por violações da liberdade condicional. A União Europeia impôs sanções aos oficiais russos pelo envenenamento e prisão de Navalny e milhares e russos chegaram a invadir as ruas da Rússia a pedir a libertação do ativista.

O Prémio Sakharov de 50 mil euros que celebra a Liberdade de Pensamento, em homenagem ao dissidente soviético Andrei Sakharov, é concedido todos os anos. O vencedor será anunciado no dia 21 de outubro, com a entrega de prémios agendada para dezembro. Outros nomeados para 2021 incluem um grupo de mulheres afegãs proeminentes, a política boliviana Jeanine Anez e a organização não governamental de direitos humanos Global Witness, com sede no Reino Unido.

Em anos anteriores venceu o presidente sul-africano Nelson Mandela, a oposição democrática da Venezuela e a ativista educacional paquistanesa Malala Yousafzai.

A nomeação de Navalny surge cerca de uma semana depois de o partido do atual presidente russo (Rússia Unida) Vladimir Putin ter conseguido obter maioria parlamentar. Com 85% dos votos contados, a Comissão Eleitoral Central decretou que o partido de Putin somava quase 50% dos votos.

De recordar que os aliados do político e ativista Alex Navalny foram impedidos de concorrer devido a novas leis, criadas por Putin, e alguns dos apoiantes do maior crítico do Kremlin foram detidos antes das eleições, tendo sido registados mais de 400 presos políticos.

Recomendadas

Eurodeputados querem que União Europeia aumente o apoio para a comunicação social (com áudio)

Parlamento Europeu quer um fundo permanente para os meios de comunicação da União Europeia, com o objectivo de salvaguardar a independência financeira e política dos jornalistas e do jornalismo europeu.

Parlamento Europeu quer criação de um estatuto europeu do artista

Eurodeputados instam a Comissão Europeia a criar um quadro europeu para garanta condições de trabalho e normas mínimas nos setores culturais e criativos comuns a todos os Estados-Membros.

Cabo Verde, um exemplo bem sucedido de democracia em África. Hoje há “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Tudo para ver esta semana em ‘A Arte da Guerra’, da plataforma multimédia JE TV, e para ouvir em plataformas de streaming como o Spotify, num programa conduzido pelo jornalista António Freitas de Sousa e com os comentários do Embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários