Navigator lança empréstimo de 100 milhões ajustado aos compromissos de sustentabilidade (com áudio)

O BPI e o CaixaBank foram os assessores da Navigator na estruturação de uma operação de financiamento sustentável, sob a forma de Empréstimo Obrigacionista, tendo tomado firme a totalidade da emissão.

A The Navigator Company vai emitir, no próximo dia 5 de agosto, um empréstimo obrigacionista no valor de 100 milhões de euros com maturidade de cinco anos, “em articulação com o reembolso antecipado de financiamento no mesmo montante, com vencimento em 2023”, anunciou a empresa de pasta e papel liderada por António Redondo.

A Navigator diz que esta operação contribuirá para a extensão da vida média da dívida do Grupo, bem como para a redução do custo de financiamento da Empresa, além de ter condições ajustadas ao cumprimento de compromissos de sustentabilidade.

A operação está alinhada com as condições estabelecidas pelos “Princípios de Crédito Ligados à Sustentabilidade” (Sustainability Linked Loan Principles 2019), tendo obtido uma avaliação positiva da empresa de consultoria independente especializada KPMG.

O BPI e o CaixaBank foram os assessores da The Navigator Company na estruturação deste Empréstimo Obrigacionista ESG, tendo tomado firme a totalidade da emissão de 100 milhões de euros.

Uma parte da margem do financiamento encontra-se indexada ao desempenho da Navigator em dois indicadores ESG (Environmental, Social and Governance): redução de emissões CO2 e aumento da percentagem de madeira certificada adquirida no mercado nacional.

“A operação está indexada a dois indicadores ESG já presentes na Agenda de Sustentabilidade da Empresa e, por sua vez, alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. O primeiro indicador define metas de redução de emissões de CO2 e enquadra-se no Roteiro para a Neutralidade Carbónica da Companhia, no qual a Companhia assume o compromisso de ser neutra em carbono nos seus complexos industriais até ao ano 2035”, detalha a Navigator.

Também neste Roteiro, “a Navigator propõe-se atingir quatro objetivos: reduzir as emissões de CO2 fóssil através da substituição de tecnologias; reduzir o consumo específico de energia até 2025; atingir os 100% de produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis e, por fim, realizar o offset das emissões não passíveis de eliminar”.

O segundo indicador, pelo qual se rege o empréstimo obrigacionista, define metas para o aumento da percentagem de madeira certificada adquirida no mercado nacional. “Para atingir este objetivo, a The Navigator Company tem investido num conjunto de programas, a título individual ou em parceria com outras organizações, que visam contribuir para ultrapassar barreiras sentidas pelo setor florestal no que diz respeito à certificação da madeira, promover a melhoria da gestão florestal dos espaços florestais de terceiros e, dessa forma, contribuir para a sua certificação e disponibilização no mercado de madeira através dessa garantia de origem”.

Segundo a empresa do grupo Queiroz Pereira estes dois indicadores fazem parte da gestão da Navigator para a “Década da Ação”, “que corresponde ao movimento a decorrer entre 2020 e 2030, com o intuito de levar todos os países-membros das Nações Unidas a cumprir as 169 metas dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). No caso deste empréstimo, os dois indicadores selecionados suportam, de forma direta e expressiva, o ODS 13 – Ação Climática e o ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre”.

A Navigator tem vindo a desenvolver um plano de ação “que se tem traduzido na implementação de diversos projetos e iniciativas, como é o caso da construção de uma nova caldeira de biomassa no complexo industrial da Figueira da Foz, num investimento de 55 milhões de euros” diz a empresa que lembra que se tornou  a primeira em Portugal – e, também, uma das primeiras a nível mundial – a assumir o compromisso de antecipar em 15 anos, face aos objetivos nacionais e europeus, a neutralidade carbónica dos seus complexos industriais, o que lhe permitirá ter, até 2035, todas as unidades fabris neutras em emissões de carbono e atingir, nessa data, uma redução de 86% das suas emissões de CO2″.

Este objetivo implica um investimento total de 154 milhões de euros, dos quais 55 milhões já foram efetuados, diz a companhia.

Recomendadas

Evergrande chega a acordo para evitar incumprimento de uma das suas dívidas

O gigante imobiliário chinês Evergrande disse esta quarta-feira ter chegado a um acordo com os detentores de obrigações para evitar o incumprimento de uma das suas dívida.

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014 (com áudio)

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.

Refinaria de Matosinhos. Galp ainda não apresentou programa de descontaminação de solos (com áudio)

Governo disse que este programa terá de ser apresentado juntamente com o projeto de desmantelamento para esta unidade industrial, o que ainda não aconteceu. Ministro do Ambiente recordou que o PDM local estipula que o local da refinaria deverá continuar a ser usado para fins industriais e não para imobiliário.
Comentários