“Nem mensalidades nem penalização”: Meo não vai cobrar às vítimas dos incêndios de Pedrógão

Operadora justifica cobrança de penalização a cliente vítima dos incêndios de Pedrógão Grande “por uma questão de automatismo”.

A administração da empresa de telecomunicações decidiu “inibir a faturação por três meses a todos os clientes que viram as suas habitações afetadas neste incêndio”, em comunicado da Meo divulgado pelo site Dinheiro Vivo.

No mesmo comunicado, a Meo revela que “por força da investigação oficial do processo não foi possível à Meo ter acesso atempadamente às listas dos clientes que perderam a vida ou ficaram com as suas habitações destruídas ou afetadas. À medida que vão chegando ao conhecimento da empresa situações semelhantes, a Meo corrige imediatamente as mesmas”, garantiu a empresa.

ernando Mendes Silva, de 70 anos, comunicou a morte do filho à MEO, apresentando a certidão de óbito, com vista ao cancelamento do contrato de serviço de telecomunicações, para a operadora “deixar de fazer débitos diretos” na conta da vítima, um funcionário da Câmara de Castanheira de Pera que morreu na Estrada Nacional 236-1, nos incêndios de junho.

“Quando recebi a carta fiquei atónito”, disse à Lusa Fernando Mendes Silva, que a 7 de julho recebeu a informação da MEO de que iria ser faturada (por débito direto), “a título de penalização”, a quantia de 139,32 euros por o cancelamento do contrato decorrer ainda durante o período de fidelização.

A carta que originou o comunicado da Meo foi enviada para a morada de Fernando Mendes Silva, em Figueiró dos Vinhos, mas ainda endereçada ao filho, Fernando Rui.

“Fiz a reclamação, entrei em contacto com um assistente e mandei um e-mail para eles a explicar a situação”, disse o pai da vítima, que na segunda-feira recebeu uma mensagem a dizer que “ainda estão a resolver a situação”.

 

Ler mais
Relacionadas

MEO exigiu pagamento de multa por cancelamento de contrato de vítima

A MEO aplicou uma penalização de 139 euros pelo cancelamento do contrato de uma vítima mortal do incêndio de Pedrógão Grande. A Associação de Direito do Consumo diz não haver razão para multa.
Recomendadas

PremiumIsraelitas já têm planos para mais hotéis em Lisboa

O grupo Fattal vai abrir um hotel de quatro estrelas na baixa de Lisboa em 2022, num investimento de 20 milhões. A companhia detém 200 hotéis e procura mais oportunidades em Lisboa, Porto, Estoril e Algarve.

PremiumPortugueses dominam negócio milionário dos transplantes capilares

Alta tecnologia e investigação científica promovida por Paulo Ramos, associado aos fundos Vallis-Hermes e a CR7, permitiu criar rede que fatura milhões.

PremiumJerónimo Martins vai investir até 750 milhões para ter mais 290 lojas em 2020

Ara, na Colômbia, vai ter mais 130 lojas, e Biedronka, na Polónia, mais 100. Em Portugal, o Pingo Doce vai apostar num novo conceito de loja.
Comentários