PremiumNicolas Sarkozy: Retalhos da vida e obra (judicial) do mais acusado presidente da 5.ª República

Inúmeros casos abertos pelo Ministério Público francês têm o nome do antigo chefe de Estado enquanto figura de destaque. O político que chegou a ensaiar o regresso à atividade política em 2016 é acossado por todos os lados. E tornou-se o primeiro ex-presidente a quem um tribunal reserva pena de prisão efetiva.

O ex-presidente francês Jacques Chirac foi condenado em dezembro de 2011 a dois anos de prisão com pena suspensa por desvio de fundos públicos e abuso de poder. Está assim salva a reputação de Nicolas Sarkozy – que não passará para a história como o primeiro presidente da 5.ª República francesa condenado pelos tribunais. Ficará como o segundo – mas em política a glória vai sempre para os primeiros. Mas é bem possível que Sarkozy venha ainda a ter possibilidade de fazer história, uma vez que é o primeiro ex-presidente da 5.ª República (‘fundada’ em outubro de 1958) a ser condenado (não em última instância, para já) a prisão efetiva. A equipa de advogados do ex-presidente, liderada por Jacqueline Laffont, prometeu que irá recorrer.

Antes de continuarmos com esta história mais ou menos sórdida, passemos a um assunto que não interessa nada: quem é Jacqueline Laffont? É a advogada de Charles Pasqua no caso Angolagate. E isto é o quê? É um caso em que o Estado francês foi acusado de vender ilegalmente armas ao regime de José Eduardo dos Santos, caso esse que se tornou complicado porque Charles Pasqua, ex-ministro do Interior, implicou diretamente o presidente francês à época, acusando-o de não se ter oposto à venda das armas. Charles Pasqua foi condenado? Não! Bom, não dessa vez: haveria de ser condenado em 2013 a dois anos de prisão com pena suspensa por desvio de fundos para a criação de uma fundação artística. E quem era o presidente à época? Exatamente: Jacques Chirac.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumFernando Gomes: “Deveríamos conseguir baixar custos salariais em cerca de 15 milhões”

“Até agora, não houve um apertar do cinto, um emagrecimento dos custos na estrutura do futebol (…) foi pelas mais-valias da venda de jogadores que estamos a conseguir sair desta situação delicada”

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Faz-me impressão que nem se considere baixar impostos” como combate à crise

Ao compilar mais de 15 anos de crónicas sobre a vida económica e política de um país, o resultado será, invariavelmente, um retrato aproximado da última década e meia da atualidade nacional.

PremiumRelógios: Tentações fortes para 2021

A pandemia chegou, sem aviso prévio, e provou que não há certezas, mesmo no mundo das horas certas. A indústria suíça confronta-se assim com vários dilemas, sendo este um dos maiores: há necessidade de feiras, num mundo cada vez mais digital?
Comentários