Nigéria confirma morte do líder da ISWAP, Abu Musab al-Barnawi

Militares nigerianos anunciaram a morte de Abu Musab al-Barnawi, líder na África Ocidental do grupo insurgente do Estado Islâmico. Com a morte de Abubakar Shekau, líder do Boko Haran em maio, a Nigéria espera que a insurgência perca dimensão.

O general nigeriano Lucky Irabor adiantou esta quinta-feira, sem dar quaisquer detalhes, que o líder do denominado Província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP), Abu Musab al-Barnawi, está morto. A ISWAP, que segundo a agência Reuters não quis comentar a notícia, é considerado o grupo jihadista mais forte a operar na Nigéria e a partir dela desde a morte do líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, no início deste ano.

Recorde-se que, desde a morte de Shekau, milhares de combatentes do Boko Haram renderam-se aos militares nigerianos, o que também terá acontecido com membros da ISWAP – que entretanto se manteve ativa desde então.

Al-Barnawi, nascido Habib Yusuf, era, sem que haja certezas, o filho mais velho do fundador do Boko Haram, Mohammed Yusuf. Era considerado relativamente moderado – talvez em comparação com os seus companheiros – evitando a radicalidade do Boko Haram, como o uso de crianças-bomba suicidas e a perseguição indiscriminada de muçulmanos não radicais.

Após a morte do pai sob custódia policial em 2009, Shekau foi nomeado o novo líder do grupo. Nesse papel, e assumindo-se como porta-voz do Boko Haram, entrou frequentemente em confronto com Shekau e com outros líderes do topo do grupo, tendo acabado por desertar para o grupo Ansaru, um ramo do Boko Haram com laços com a Al-Qaeda. Ao mesmo tempo, Shekau alinhou o Boko Haram com o Estado Islâmico a partir de 2015 – tendo por este sido nomeado líder da insurgência nigeriana.

Em resultado das lutas internas, acabaram p0or formar-se dois grupos, a ISWAP e o Boko Haram, que apesar de colaborações esporádicas, passaram também por fases de confrontação direta. A ISWAP acabou por ser a fonte da notícia da morte, em maio passado, de Shekau – que, num confronto entre os dois grupos, terá optado por detonar um colete suicida em vez de se render.

Sob a liderança de Barnawi, a ISWAP, novamente rendido aos ‘encantos’ do Estado Islâmico, obteve ganhos territoriais no norte da Nigéria e em toda a Bacia do Chade, durante os últimos anos, atuando também no Burkina Faso, Camarões, Chade, Níger e Mali.

Com a sua morte, a Nigéria conta com o desmembramento do grupo insurgente e com o fim das hostilidades jihadistas, mas o histórico dos combates e a sua persistência indicam que essa eventualidade está demasiado longe da realidade.

Recomendadas

Rússia e NATO trocam expulsões e tensão aumenta

O pessoal da missão militar da NATO em Moscovo vai ter de abandonar o país, como retaliação às anteriores expulsões de membros da missão russa junto da NATO.

“A Arte da Guerra”. “Candidato da extrema-direita defende que França será islamizada por uma invasão de natureza árabe”

“Zemmour tem um discurso excessivamente radical para um candidato que possa ir ao centro. A grande tese que ele defende é que uma grande invasão de natureza árabe, com uma visão totalitária da sociedade, vai islamizar a França”, sublinhou Seixas da Costa no programa da JE TV.

“A Arte da Guerra”. “Zemmour? Em França, há muita gente à direita que nunca votará Le Pen”

O surgimento de um novo protagonista nas presidenciais francesas foi um dos temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa, na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV.
Comentários