Nota da Direção do JE sobre o caso Robles

A Direção do Jornal Económico repudia as declarações da líder do Bloco de Esquerda.

Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, classificou hoje como “falsa” a notícia publicada na edição desta sexta-feira do Jornal Económico, sobre os investimentos imobiliários do vereador e dirigente bloquista Ricardo Robles, assinada pelos jornalistas Filipe Alves, Gustavo Sampaio e José Varela Rodrigues. A respeito destas declarações, que incluem algumas insinuações, que repudiamos, a Direção Editorial do Jornal Económico esclarece o seguinte:

 

1. Todos os factos noticiados foram devidamente comprovados ao longo da nossa investigação, com base em documentos públicos e nas declarações do próprio Ricardo Robles. E os factos da notícia são estes, entre outros: em 2014, Robles, um dos principais críticos da especulação imobiliária em Lisboa, comprou a meias com a irmã um prédio da Segurança Social, por 347 mil euros. Fez obras de reabilitação e de expansão, negociou com os inquilinos a subida da renda e/ou a sua saída e, no final de 2017, colocou o imóvel à venda na imobiliária Porta da Frente, com o intuito de o vender, tendo por base uma avaliação de 5,7 milhões de euros. Alguns meses mais tarde, o imóvel deixou de estar à venda, mas, tal como o próprio Ricardo Robles admite na notícia, o objetivo é voltar a colocar esse prédio no mercado, “a breve trecho”.

2. O Bloco de Esquerda alega que os inquilinos não tiveram de deixar o prédio. É falso, pois tal como o JE noticiou, a maior parte dos arrendatários – quatro em cinco – preferiram sair, sendo que em pelo menos um dos casos essa decisão deveu-se ao facto de não querer pagar a renda que Ricardo Robles lhe exigia. Esses inquilinos eram comerciantes, incluindo um restaurante que existia há duas décadas e dava emprego a cinco pessoas.

3. Na nossa notícia, Ricardo Robles teve oportunidade de contar a sua versão dos factos. E conseguiu fazê-lo. Por respeito à verdade e para reduzir o risco de mal entendidos ou de citações fora do contexto, optamos por reproduzir essas declarações de Ricardo Robles na íntegra, a tal ponto que as suas respostas ocupam metade do espaço da notícia. Nas suas declarações, que foram prestadas por escrito, Ricardo Robles confirma todos os factos descritos nos pontos anteriores, incluindo a saída da maioria dos arrendatários, o valor da avaliação e a intenção de voltar a colocar o imóvel à venda.

4. O Bloco de Esquerda contesta o título da notícia, alegando que Ricardo Robles não ganhou milhões com o negócio. Também isto não corresponde à verdade: devido a este investimento, Ricardo Robles é hoje proprietário de um património imobiliário avaliado em vários milhões de euros. Tal como a notícia refere, trata-se de uma mais-valia potencial, mas não deixa de ser verdade que Ricardo Robles é hoje mais rico do que era há quatro anos. Deixamos uma questão para Catarina Martins: quem é mais rica, a pessoa que tem cem mil euros numa conta bancária, ou a que detém património no valor de 5,7 milhões de euros?

5. O Jornal Económico não faz jornalismo sensacionalista nem “justiceiro”. Acreditamos que o jornalismo faz-se respeitando os princípios éticos da profissão, confirmando todos os factos, procurando ouvir as partes atendíveis e fazendo o contraditório. O nosso objetivo não é julgar quem quer que seja na praça pública, mas apenas fornecer aos cidadãos, da forma mais isenta, rigorosa e completa possível, as informações de que necessitam para formarem a sua própria opinião. Foi o que procuramos fazer também neste caso.

6. O nosso trabalho está à vista para quem o quiser avaliar. Ao longo dos últimos dois anos, investigamos casos que envolvem figuras de todos os quadrantes partidários e ideológicos, bem como do mundo dos negócios e das empresas. Estamos tranquilos, porque no JE procuramos viver de acordo com os princípios que apregoamos.

 

A Direção do Jornal Económico

Ler mais
Relacionadas

PremiumVereador do Bloco ganha milhões com prédio em Alfama

Ricardo Robles é um dos mais ferozes críticos da especulação imobiliária. Mas o bloquista é também um investidor de sucesso, que em 2014 pagou 347 mil euros, juntamente com a irmã, por um prédio que hoje vale 5,7 milhões.

Respostas Rápidas. O que está em causa no ‘caso’ Ricardo Robles?

Vereador do Bloco de Esquerda terá, em 2014, adquirido em conjunto com a sua irmã, um imóvel pelo valor de 347 mil euros. Hoje, o edifício totalmente reabilitado vale 5,7 milhões de euros.
Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários